*
 

O deputado federal Alberto Fraga (DEM-DF) usou sua conta no Twitter para criticar a vereadora Marielle Franco, assassinada com seu motorista, Anderson Pedro Gomes, na última quarta-feira (14/3), no Rio de Janeiro. Na mensagem, publicada na noite dessa sexta (16), o parlamentar da “bancada da bala” no Congresso chamou Marielle de “novo mito da esquerda” e a descreveu assim: “Engravidou aos 16 anos, ex-esposa do Marcinho VP, usuária de maconha, defensora de facção rival e eleita pelo Comando Vermelho”.

Até as 9h30 deste sábado (17), o tuíte de Fraga já tinha mais de 1 mil curtidas, 580 comentários e 480 compartilhamentos.

Twitter/Reprodução

Questionado sobre a postagem, o deputado disse ao Metrópoles que somente replicou conteúdo que já circulava na internet e em redes sociais. “Outras pessoas também fizeram isso. Recebi vários comentários contra, até de uma desembargadora”, declarou. “Não estou preocupado com isso. São esquerdopatas! Estão jogando o Brasil nesta decadência. Nunca vi fazerem um comentário sobre casos similares, só sobre Marielle. Não sou insensível sobre o caso. Mas por que o partido dela não se posiciona contra os marginais? E se algum menor estiver envolvido? Se fosse um posicionamento do MDB ou do PSDB, não haveria essa comoção”, completou.

O tuíte de Fraga contém todos os ingredientes encontrados em rumores na rede, como verificou o Boatos.org. De acordo com a checagem do site, o conteúdo “é vago, alarmista e tem erros de português”.

Além disso, contém informações incorretas. A começar pela idade de Marielle ao ser mãe: ela tinha 19 anos, e não 16. Também erra ao falar em relacionamento com Marcinho VP. Segundo o Boatos.org, há dois traficantes famosos com esse nome. Além de ter ouvido uma pessoa próxima à vereadora, que negou o boato, o site cita razões pelas quais seria improvável qualquer relação da parlamentar com algum deles, como motivos “geográficos” e “matemáticos”.

Polêmica
Pouco depois da primeira mensagem, o deputado federal fez outra postagem polêmica. Nela, fala sobre o assassinato do ex-vereador de Porto Seguro (BA) Aldair Silva Andrade, morto a tiros na porta de casa, em 7 de janeiro deste ano. “Na Bahia, não tem intervenção, muito menos ele era ‘nego’, sem falar que não era mulher nem gay… Você ficou sabendo dessa execução?”, escreveu o parlamentar.

Marielle Franco e o motorista Anderson Pedro Gomes foram assassinados na noite de quarta-feira (14), após a vereadora ter participado de um debate com mulheres negras na Lapa, zona central do Rio de Janeiro. Ela foi atingida por quatro tiros, e ele, três. Uma assessora parlamentar que também estava no carro sobreviveu. A principal linha de investigação é de que Marielle – ativista de Direitos Humanos que vinha denunciando a violência policial contra moradores de comunidades carentes – tenha sido executada. Não está descartada participação de agentes do Estado.