Mourão defende parceria comercial “estratégica” com a China

Vice-presidente diz que deve haver estabilidade na relação entre brasileiros e chineses e que ela precisa ser baseada em confiança

atualizado 09/03/2019 0:11

MARCELO CHELLO/CJPRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

O vice-presidente da República, general Hamilton Mourão, confirmou, na noite desta sexta-feira, que o Brasil quer manter a China como parceiro comercial estratégico. As declarações foram feitas no programa Mariana Godoy Entrevista, na RedeTV. “Tem que haver uma estabilidade nessa relação e, para isso, tem que haver confiança”, avaliou o vice, corroborando a declaração dada pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) de que vão melhorar as relações diplomáticas com os chineses. “A China é muito importante ao Brasil”, disse o presidente.

Com viagem planejada para a China, que deve ocorrer ainda neste primeiro semestre, Mourão deverá integrar uma comissão sino-brasileira de cooperação bilateral. Será o momento, disse ele, de ambos os governos se apresentarem um ao outro.

“Na relação tem que haver benefício mútuo”, observou. “Eles virão aqui comprar alimentos, por exemplo, e vão querer investir. Mas vão investir onde não queremos, e não onde eles querem”, completou.

O vice afirmou que conversou com o novo embaixador chinês no Brasil, Yang Wanming, e ressaltou que o presidente Jair Bolsonaro vai sentar e conversar com o presidente chinês Xi Jinping para deifnir uma agenda comercial estratégica.

Viagem à China
Nesta sexta (8), Bolsonaro prometeu melhorar as relações diplomáticas com a China, ao entregar a Carta Credencial ao embaixador Wanming. “A China é muito importante ao Brasil”, disse o presidente ao dar posse ao representante chinês.

Em nome do presidente Xi Jinping, Wanming convidou Bolsonaro para uma visita oficial à China, principal parceiro comercial do Brasil. O presidente brasileiro aceitou a proposta dizendo que já era sua intenção. “Se Deus quiser, a viagem será realizada”, afirmou Bolsonaro.

Últimas notícias