“A China é muito importante ao Brasil”, afirma Bolsonaro

O presidente aceitou convite do presidente chinês, Xi Jinping, para fazer uma viagem oficial ao país asiático

atualizado 08/03/2019 12:56

Igo Estrela/Metrópoles

Em um cenário de crise internacional e desacordo político entre os países, o presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), prometeu melhorar as relações diplomáticas com a China, ao entregar, nesta sexta-feira (8/3), a Carta Credencial ao novo embaixador do país, Yang Wanming. “A China é muito importante ao Brasil”, disse o mandatário da República ao dar posse ao representante chinês.

O gesto rompe com uma sequência de desencontros nas falas do presidente com relação aos chineses. Durante a campanha e ao longo do governo de transição, o atual presidente adotou postura crítica com relação a China. Ele e seus filhos, inclusive, se mostraram contrariados com parlamentares da bancada do PSL que se deslocaram ao país em busca de ampliar o intercâmbio entre as duas nações. Atualmente, a China é o principal parceiro econômico do Brasil.

Os desentendimentos se ampliaram ao longo da crise da Venezuela, na qual Brasil e China adotaram posturas divergentes. Enquanto o Brasil reconheceu Juan Guaidó como presidente interino do país, a China manteve o apoio ao ditador Nicolás Maduro.

Bolsonaro, agora, prometeu melhorar o relacionamento com os chineses. “Nós queremos nos aproximar do mundo todo, ampliar nossos negócios e abrir novas fronteiras. É assim que será o nosso governo”, afirmou o presidente.

Em nome do presidente Xi Jinping, Yang Wanming convidou Bolsonaro para uma visita oficial à China. O presidente brasileiro aceitou a proposta dizendo que já era sua intenção. “Se Deus quiser a viagem será realizada”, afirmou.

“Essa é uma nova etapa para seguir com as relações amistosas e em benefício a ambas partes”, disse o embaixador Yang Wanming, após conversa com o presidente. Para ele, o encontro foi “excelente”. De acordo com Bolsonaro, devido aos seus compromissos de agenda, a visita ocorrerá, possivelmente, no segundo semestre deste ano.

Últimas notícias