*
 

Enviados especiais a São Bernardo do Campo (SP) – Enquanto espera decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) sobre novo pedido de habeas corpus impetrado por seus advogados, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) recebe, nesta sexta-feira (6/4), autoridades e artistas em uma sala no terceiro andar do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo (SP). Do lado de fora do prédio, pelo menos 6 mil pessoas, segundo informações da Guarda Municipal, aguardam pronunciamento do petista, que deve falar às 16h.

Os apoiadores de Lula se aglomeram sob o sol para manter uma barreira em frente ao edifício. É o caso da professora Marina Inês do Nascimento, que deixou a mãe em um hospital, onde está internada após um acidente vascular cerebral, para dar apoio ao líder petista. “Ela era da luta e sempre reconheceu que o povo pobre precisa lutar. Estou aqui pela minha mãe e pelo povo negro, que ajudou a construir a democracia que estão querendo destruir”, disse, com lágrimas nos olhos. De acordo com Marina, a mãe dela, aos 86 anos, não tem chances de recuperação, na avaliação dos médicos.

Lideranças do PT estão se revezando sobre o caminhão de som em frente ao sindicato. Os deputados federais Vicentinho (PT-SP), Luiza Erundina (PSol-SP), Paulo Pimenta (PT-RS), entre outros, defenderam a inocência do ex-presidente. A cada vez que o juiz federal Sérgio Moro e o Supremo Tribunal Federal (STF) eram mencionados, muitas vaias e xingamentos.

Suzano Almeida/Metrópoles

Dentro do sindicato, Lula conversou com religiosos e artistas, como a cantora Leci Brandão e o rapper Taíde. Na sala, a cúpula do PT anunciou a Lula a decisão dos sindicatos e movimentos sociais em manter a resistência à prisão decretada pelo juiz federal Sérgio Moro, que deu prazo até as 17h desta sexta para o ex-presidente se entregar.

“Há 40 anos, esse sindicato foi palco da resistência contra a ditadura e hoje será um dia histórico contra um judiciário que se comporta de forma política”, afirmou Guilherme Boulos, presidente do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST).

 

 

 

 

COMENTE

prisão de Lula
comunicar erro à redação

Leia mais: Brasil