MC Kevin pediu socorro antes de cair, mas foi ignorado, diz testemunha

Hóspede de hotel em frente ao ocupado pelo artista no Rio, contou que viu funkeiro pendurado e ouviu pedidos de ajuda dele aos amigos

atualizado 02/08/2021 10:28

MC KevinReprodução/Instagram

Rio de Janeiro – Uma nova testemunha contradiz a versão contada pelos amigos para a morte do cantor MC Kevin, de que o cantor teria pulado por conta própria do quinto andar de um hotel na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro. A testemunha contou que o artista foi incentivado a pular da sacada do hotel e pediu socorro antes de cair, sem ser atendido. As novas informações revoltaram os pais do cantor.

A testemunha, que concedeu entrevista para a RecordTV, é o cantor português Fernando Dimmy Jr, de 31 anos, que contou ter se hospedado em frente ao hotel onde Kevin e seus amigos estavam e afirmou ter presenciado todo o desenrolar da trágica morte do funkeiro.

“Sim, exatamente. Eu confirmo que vi a queda do MC Kevin. Foi uma mera coincidência eu estar no hotel ao lado de MC Kevin. Pois eu não sabia da presença dele naquela cidade [no Rio de Janeiro]”, disse.

0
Indignação

Indignados, Agnaldo Bueno e Valquíria Nascimento, pai e mãe do cantor, usaram as redes sociais para manifestar repúdio pelo filho ter sido “incentivado a mudar de andar” e não ter recebido “ajuda quando pediu socorro”. Por meio dos stories, no Instagram, Agnaldo diz que tinha certeza que o filho não pularia “se não fosse incentivado! Que a justiça de Deus seja feita!”, escreveu.

A revolta dos pais do cantor é direcionada à garota de programa, Beatriz Dominguez, com quem Kevin estava no quarto do hotel, além dos amigos MC VK e Jhonatas — citados pela nova testemunha como envolvidos na morte do funkeiro. Segundo Agnaldo e Valquíria, o trio mentiu para a polícia. Kevin teria usado a sacada para trocar de quarto e não ser flagrado pela esposa na situação extraconjugal com a garota de programa, resultando na sua queda e morte.

“Bando de filho da put* mentiroso, tá todos mentindo. Meu filho foi uma vítima. Ele aí era o único de coração puro. O resto tudo falso, mentirosos, mas Deus tudo vê e a justiça vai ser feita. Mataram ele, judas desgraçados, malditos. Nada vai trazer ele de volta, mas isso não vai ficar [para] à justiça de Deus, tá? Aí, eu perdi meu filho por muitas pessoas malditas. Tá todo mundo mentindo, isso sim. Um joga pro outro e, na verdade, é tudo culpado. Desgraçados, agora eu vou atrás de cada. Ninguém vai ter paz. Ninguém, malditos”, detonou a mãe.

Ela garante que vai lutar até o último dia de vida para que os envolvidos na morte de MC Kevin sejam punidos pela justiça. “Eu não tenho paz [e] agora vocês não vão mais ter paz também. Vou atrás de vocês tudo, pode esperar. Certeza, malditos, isso não vai ficar assim, não. E eu aqui a besta não vendo nada, pois agora eu vi e eu vou até o inferno atrás, pode esperar. Não sou trouxa de ninguém e olha bem o que estou falando. Meu filho não era santo, não, mas ele não era ruim. Tinha um coração tão grande que não viu os lixos de pessoas que andava atrás dele. Lixo de pessoas, isso que vocês são todo mundo que tava lá vendo o menino pedindo ajuda e não fez nada. Ainda fala que é irmão, amigo, são um bando de filho da put*, maldito!

Apelo

Na entrevista, o cantor português detalhou que Kevin pediu socorro quando estava pendurado no parapeito e que ouviu o apelo do hotel onde estava, sendo impossível que não ter sido ouvido pelo MC VK, que estava no quarto e foi até a sacada. Entretanto, não agiu para ajudar o cantor e o acidente aconteceu na sequência.

“Deu para ouvir onde eu estava. Ele disse “me ajuda, me ajuda!”. Então, mesmo assim, o VK parece que estava a incentivar ele para ir para o andar de baixo ou largar. Depois de ter gritado e não ter conseguido ficar apoiado no parapeito da varanda, ele já quando estava a cair, ele [VK] antes deu um chute, como se fosse um chute no parapeito. Ele [Kevin] foi se distanciando um pouco do edifício. Foi aí quando eu dei conta daquilo que estava a acontecer, que ele estava realmente a cair, que ninguém estava a ajudar. Eu fui pegar meu celular para ver se dava para apanhar uma parte em que assim eu podia muito bem fazer a publicação disso sem ter de me expor. Então, foi quando eu peguei o celular, foi muito tarde. Nós ouvimos um pequeno estrondo como se fosse um ‘puff””, completou.

Últimas notícias