Marília Mendonça: acidente entra em inquérito da PEC Táxi Aéreo no MPT

Empresa dona do avião que caiu e causou a morte da cantora Marília Mendonça e de outros quatro é investigada por questões trabalhistas

atualizado 09/11/2021 10:38

Peritos encontram 2º motor de avião em que morreu Marília MendonçaPedro Vilela / Getty Images

Goiânia – O Ministério Público do Trabalho em Goiás (MPTGO) vai investigar se a empresa PEC Táxi Aéreo desrespeitou normas trabalhistas no acidente que levou a morte da cantora Marília Mendonça e de outras quatro pessoas. A empresa é dona da aeronave que caiu e foi denunciada em maio deste ano por supostamente não cumprir a carga horária dos pilotos.

Um inquérito foi aberto pelo MPTGO para apuração dos fatos na época da denúncia e a queda do avião na última sexta-feira (5/11) será considerado na investigação, já que houve um acidente de trabalho, no caso do piloto, segundo o órgão. A mesma denúncia alerta para problemas no para-brisa da aeronave, que prejudicaria a visibilidade.

0

Conforme a denúncia, que é anônima, a empresa colocava os pilotos com jornada de voo acima do limite permitido pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC). De acordo com o documento, a suposta irregularidade acontecia em diversos voos, tanto executivos quando aeromédicos, além de não respeitar a folga dos profissionais.

Avião com problemas

Também segundo a denúncia, a aeronave com prefixo PT-ONJ, mesma do acidente com Marília Mendonça, estaria realizando voos com problemas de aquecimento no para-brisa. “O vidro fica embaçado com prejuízo visual em pousos e decolagens, fato conhecido pela empresa, porém ignorado, já denunciado à ANAC, porém sem vistoria feita”, diz o texto da denúncia anônima.

A ANAC informou que a peça associada ao aquecimento do para-brisa da aeronave foi substituída em maio deste ano. O órgão regulador também recebeu uma denúncia anônima e fez uma investigação na época. Um outro inquérito chegou a ser aberto pelo Ministério Público Federal de Goiás (MPFGO), mas foi arquivado em agosto, após a ANAC comunicar a substituição da peça.

Mais documentos

O inquérito do Ministério Público do Trabalho de Goiás continua em andamento. Em nota, o órgão informou que há uma investigação que apura possíveis desrespeitos a jornadas de trabalho e descanso.

Ainda na nota, o MPT explicou que o acidente com a cantora Marília Mendonça será considerado dentro desse inquérito já existente. O objetivo é apurar se houve ou não desrespeito a normas trabalhistas no acidente.

O MPTGO afirmou que vai pedir mais documentos à PEC Táxi Aéreo, além de ouvir testemunhas e representantes da  empresa. Laudos do acidente e investigações que já aconteceram serão consideradas no inquérito.

Sem irregularidades

Procurada pelo Metrópoles, a PEC Táxi Aéreo informou que a aeronave PT-ONJ, modelo C90A, estava com o Certificado de Verificação de Aeronavegabilidade (CVA) válido, conforme Registro Aeronáutico Brasileiro (RAB), e todas as manutenções em dia.

A empresa reiterou que a tripulação era extremamente experiente e treinada – liderada pelo comandante Geraldo Martins Medeiros com mais de 33 anos de aviação e o copiloto Tarciso Pessoa Viana com mais de 13 anos de aviação – e estava apta a voar, com suas horas dentro da jornada permitida e regulamentada pela legislação aeronáutica e trabalhista.

Além disso, a PEC Táxi Aéreo disse que assim que tomou conhecimento do acidente, deu início aos trâmites exigidos, notificando os órgãos competentes, no caso o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), a ANAC e a Polícia Civil de Minas Gerais. Segundo a empresa, todos os esclarecimentos iniciais foram prestados e documentos solicitados foram entregues.

Acidente

O avião com Marília Mendonça, de 26 anos, e equipe decolou de Goiânia com destino a Caratinga, em Minas Gerais, na tarde da sexta-feira (5/11) onde a cantora se apresentaria naquele dia. No entanto, já bem próximo à pista de pouso, a aeronave se chocou com uma torre de transmissão elétrica e caiu em uma área de cachoeira.

No avião, com Marília, estavam o tio e assessor Abiceli Silveira Dias Filho, 43 anos; o produtor Henrique Ribeiro, 32; o piloto Geraldo Martins de Medeiros Júnior, 56; e o copiloto Tarciso Pessoa Viana, 37. Todos morreram.

Mais lidas
Últimas notícias