metropoles.com

“Manifestação não é dos caminhoneiros, é do agro”, diz Sinditac/GO

Segundo presidente da entidade, participantes de ato são vinculados a grandes empresas. “Nossas pautas são outras”, atesta ele

atualizado

Compartilhar notícia

Foto: Redes sociais/ Reprodução
bloqueio caminhoneiros
1 de 1 bloqueio caminhoneiros - Foto: Foto: Redes sociais/ Reprodução

Goiânia – De acordo com o presidente do Sindicatos dos Transportadores Autônomos de Carga de Goiás (Sinditac), Vantuir Rodrigues, o movimento de bloqueios em rodovias que cortam o estado não é encabeçado pela categoria. “Essa manifestação não é dos caminhoneiros, essa manifestação é do agronegócio que está usando o nome dos caminhoneiros”, atestou ele.

Ao Metrópoles, Vantuir afirmou que os participantes do ato são celetistas e ligados a grandes empresas. “Os caminhoneiros estão participando na marra. Eles são vinculados a grande empresas, celetistas, não são os autônomos. Se tiver um ou outro autônomo, é porque eles pagaram”, afirmou ele.

Segundo o presidente do Sinditac, as pautas da categoria são diferentes das defendidas pelas manifestações com tom antidemocrático. “A gente não quer participar de manifestação para destituir ministro do STF. Nossa pauta é outra totalmente diferente da do agronegócio, queremos é o piso mínimo de frete. Nós ganhamos a lei, eles [representantes do agro] entraram na Justiça contra e o STF ainda não julgou e, nem por isso, estamos contra os ministros. Nós queremos continuar trabalhando e que julguem a lei. Agora, para pedir intervenção nos órgãos do país: jamais”, declarou.

0

Em tom crítico, Vantuir falou ainda sobre o preço dos combustíveis. “Essa manifestação é muito controversa. O preço do combustível não está ruim só para o caminhoneiro, está ruim para toda a população. O agronegócio quer usar o caminhoneiro, falar que representa todo mundo, mas isso não procede. Nós queremos trabalhar, não é ficar preso em bloqueio”, completou.

Bloqueios

Ao menos oito estados notificaram bloqueios em rodovias federais, nesta quarta-feira (8/9), subindo o nível de alerta de transportadoras e mercados. Alguns postos já começaram a ficar sem combustíveis.

O movimento é organizado por caminhoneiros, um dia após manifestantes pró-governo pedirem, dentre outras pautas, o fechamento do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Congresso Nacional, em diversos atos pelo país. Além desses temas, os motoristas que aderiram à paralisação cobram a redução dos impostos e do preço dos combustíveis.

Há registros de bloqueios em rodovias federais de Goiás, Paraná, Espírito Santo, Santa Catarina, Mato Grosso, Bahia, Tocantins, Maranhão e Rio de Janeiro, conforme apurou o Metrópoles.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações