Mais um Guajajara é encontrado morto e esquartejado no Maranhão

Em nota, Articulação dos Povos Indígenas do Brasil afirma que um ataque desenfreado contra os povos indígenas vem tomando conta do estado

atualizado 13/12/2019 13:45

Divulgação

Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB) divulgou uma nota nesta sexta-feira (13/12/2019), informando que o jovem Dorivan, de 14 anos, do povo Guajajara da Terra Indígena Araribóia foi encontrado morto e esquartejado na cidade de Amarante, no Maranhão.

Ao Metrópoles, Auro Guajajara, uma das lideranças dos Guardiões da Floresta – grupo responsável pela proteção de terras indígenas contra invasões de grileiros, confirmou a morte de Dorivan.

De acordo com APIB, há, no estado do Maranhão, um “ataque desenfreado” contra os povos indígenas.

Nas redes sociais, a coordenadora executiva da associação, Sonia Guajajara, afirmou que os crimes contra o povo indígena estão ocorrendo porque os assassinos “sabem que a impunidade impera”.

Esse já é o quarto assassinato registrado do povo Guajajara nos últimos meses. No último sábado (07/12/2019), dois primos do índio Auro, foram vítimas de atentado na rodovia BR-226, na terra indígena Cana Brava, no Maranhão.

Os caciques Firmino Silvino Guajajara e Raimundo Bernice Guajajara voltavam de uma reunião com a Eletronorte – concessionária de energia que atende a região – quando foram baleados. Ambos morreram.

No início de novembro foi a vez de Paulo Paulino Guajajara, também integrante dos Guardiões da Floresta. O líder da etnia foi vítima de uma emboscada após criminosos invadirem a terra indígena Araribóia, no Maranhão, para extrair madeira. O território é o mesmo onde a família de Auro mora.

Últimas notícias