Polícia Federal vai investigar morte de líder indígena Guajajara

Paulo Paulino foi morto durante um confronto com madeireiros. O colega dele também foi atingido por balas de fogo, mas conseguiu fugir

atualizado 02/11/2019 14:12

PFEdnilson Aguiar/O Livre

A Policia Federal vai investigar a morte do líder indígena Paulo Paulino Guajajara, morto em uma emboscada de madeireiros na Terra Indígena Arariboia, no Maranhão. Em nota, a PF informou que uma equipe de policiais da Superintendência Regional no estado está se deslocando para o local, “com o objetivo de apurar todas as circunstâncias do fato”.

O ataque, que matou o líder e deixou um colega dele ferido, ocorreu na noite de sexta-feira (1°/11/2019) a cerca de 500 quilômetros de São Luís, capital do estado.

Segundo a Secretaria de Direitos Humanos do estado, Paulino e Laércio (Guajajara) deixaram a vila onde residem em busca de água quando ao menos cinco homens armados os avistaram e já dispararam dois tiros contra os indígenas. Paulino morreu no local e o colega conseguiu escapar. Foi levado a um hospital próxima da região e teve alta neste sábado.

No Twitter, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, disse que a morte do líder indígena foi um “crime grave” e cobrou a punição dos responsáveis.

“A Polícia federal irá apurar o assassinato do líder indígena Paulo Paulino Guajajara na terra indígena de Arariboia, no Maranhão. Não pouparemos esforços para levar os responsáveis por este crime grave à Justiça”, escreveu.

O Greenpeace, por sua vez, afirmou que “Paulino e Laércio são as vítimas mais recentes de um Estado que se recusa a cumprir o que determina a Constituição”.

“Repudiamos toda a violência gerada pela incapacidade do Estado de cumprir seu dever de proteger este e todos os territórios indígenas do Brasil”, acrescentou a organização.

Últimas notícias