metropoles.com

STF pediu 7 mil doses da vacina do coronavírus para imunizar funcionários

Caso pedido seja aprovado, pessoas que não estão nos grupos considerados prioritários teriam acesso a vacina antes do restante da população

atualizado

Compartilhar notícia

Rafaela Felicciano/Metrópoles
O Supremo Tribunal Federal (STF) julga antecipação para as eleições de 2020 da divisão igualitária dos recursos e tempo de TV e rádio entre candidatos negros e brancos
1 de 1 O Supremo Tribunal Federal (STF) julga antecipação para as eleições de 2020 da divisão igualitária dos recursos e tempo de TV e rádio entre candidatos negros e brancos - Foto: Rafaela Felicciano/Metrópoles

O Supremo Tribunal Federal (STF) enviou um ofício à Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) pedindo a reserva de 7 mil doses da vacina contra o novo coronavírus, para que sejam destinadas à imunização de ministros e servidores da Corte e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). O ofício foi enviado em 30 de novembro para a fundação e revelado pelo jornal O Estado de S. Paulo.

A reserva de vacinas não está prevista no plano de imunização da Covid-19, divulgado pelo Ministério da Saúde na última semana. O STF afirmou ao jornal O Globo que a Fiocruz ainda não respondeu ao pedido.

No ofício enviado à fundação, o diretor-geral do STF, Edmundo Veras dos Santos Filho, diz que a justificativa para o pedido de reserva da vacina é que os servidores desempenham “papel fundamental no país”, e que muitos deles fazem parte do grupo de risco do coronavírus.

“Tal ação tem dois objetivos principais. O primeiro é a imunização do maior número possível de trabalhadores de ambas as casas, que desempenham papel fundamental no país e têm entre suas autoridades e colaboradores uma parcela considerável de pessoas classificadas em grupos de risco”, diz um trecho do documento.

Já em um outro trecho, Edmundo diz que a reserva seria uma “contribuição” ao restante da sociedade, pois liberaria “equipamentos públicos de saúde”: “Adicionalmente, entendemos que a realização da campanha por este tribunal é uma forma de contribuir com o país nesse momento tão crítico da nossa história, pois ajudará a acelerar o processo de imunização da população e permitirá a destinação de equipamentos públicos de saúde para outras pessoas, colaborando assim com a Política Nacional de Imunização”.

O documento não pede que as vacinas sejam enviadas antecipadamente à Corte. Mas, caso a reserva seja acatada, isso poderia permitir que pessoas que não estão nos grupos considerados prioritários, segundo o Ministério da Saúde, como idosos e profissionais da saúde, tenham acesso à vacina antes do restante da população em geral.

Plano nacional de imunização

Segundo o plano nacional de imunização do coronavírus, a vacina será distribuída em fases, de acordo com grupos considerados prioridade.

Veja o cronograma da primeira fase:

De 25 de janeiro a 28 de março de 2021
9 semanas
Escala por faixa etária
2 doses por pessoa

1ª fase
Trabalhadores da saúde, indígenas e quilombolas – 25 de janeiro
75 anos ou mais – 8 de fevereiro
70 a 74 anos – 15 de fevereiro
65 a 69 anos – 22 de fevereiro
60 a 64 anos – 1º de março

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações