metropoles.com

Por 7 votos a 4, STF declara Moro parcial em caso de Lula

O plenário já havia formado maioria nesse sentido, mas faltavam os votos dos ministros Marco Aurélio – que pediu vista – e Luiz Fux

atualizado

Compartilhar notícia

Michael Melo/Metrópoles
Sergio Moro STF decisao judicial
1 de 1 Sergio Moro STF decisao judicial - Foto: Michael Melo/Metrópoles

O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, nesta quarta-feira (23/6), por sete votos a quatro, tornar o ex-juiz Sergio Moro suspeito na condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), no caso do triplex do Guarujá. Esse entendimento já tinha maioria formada, mas faltavam os votos dos ministros Marco Aurélio Mello – que pediu vista – e Luiz Fux.

Nesta sessão, o ministro Marco Aurélio votou no sentido de afastar a declaração de suspeição de Moro. O decano da Corte considerou essa decisão “tardia e descabida”. Para ele, as provas obtidas por meio do celular do ex-magistrado não foram periciadas e, por isso, não são válidas.

“Sergio Moro surgiu como verdadeiro herói nacional, e passado algum tempo, é tomado como suspeito. E daí caminha-se para dar-se o dito pelo não dito, em retroação incompatível com interesses maiores da sociedade, os interesses maiores do Brasil”, disse o ministro do STF.

Fux seguiu o entendimento de Marco Aurélio. “É uma prova ilícita, introduzida após uma lavagem. Essa prova violou a Constituição Federal, porque ela veda a obtenção ilícita da prova”, declarou o magistrado.

Ao total, foram 7 votos pela manutenção da decisão da Segunda Turma: Gilmar Mendes, Nunes Marques, Alexandre de Moraes, Ricardo Lewandowski, Dias Toffoli, Cármen Lúcia e Rosa Weber.

Em posição contrária, pela revogação, foram quatro votos: Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Marco Aurélio Mello e Luiz Fux.

Entenda

A decisão da Segunda Turma teve de ser apreciada pelo plenário. Isso porque, ao anular as condenações de Lula em decisão individual, em 8 de março, o ministro Edson Fachin entendeu que não caberia mais debater a suspeição em uma condenação anulada.

Mesmo assim, a Turma decidiu julgar o pedido, em 23 de março. Por 3 votos a 2, o colegiado declarou Moro parcial.

Isso gerou um conflito entre a decisão individual do ministro e a determinação da Segunda Turma, o que fez com que o caso fosse levado para análise do plenário.

Como o plenário manteve a decisão da Segunda Turma, Moro foi considerado suspeito no julgamento do processo do triplex. Assim, as investigações precisariam voltar à estaca zero, se retomadas.

As provas já colhidas serão anuladas e não poderão ser utilizadas em um eventual novo julgamento pela Justiça Federal do DF, para onde o caso foi enviado.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações