PF pede ao STF inquérito contra Toffoli por suposta venda de decisões

O pedido tem como base o acordo de colaboração premiada do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral. Caso é referente ao TSE

atualizado 11/05/2021 20:20

Ministro Dias ToffoliAndré Borges/Esp. Metrópoles

A Polícia Federal encaminhou ao Supremo Tribunal Federal (STF) um pedido de abertura de inquérito para investigar supostos repasses ilegais ao ministro Dias Toffoli, integrante da Corte, em troca de decisões favoráveis.

A informação é da Folha de S. Paulo e foi confirmada pelo Metrópoles.

Essa é a primeira vez que a Polícia Federal pede ao Supremo apuração que envolve um ministro da própria Corte.

O pedido tem como base o acordo de colaboração premiada do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral. Ele teria afirmado que Toffoli recebeu R$ 4 milhões para favorecer dois prefeitos fluminenses em processos no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Toffoli foi ministro do TSE de 2012 a 2016, tendo sido presidente de maio de 2014 a maio de 2016.

Os pagamentos, diz Cabral, teriam sido realizados nos anos de 2014 e 2015 e operacionalizados por Hudson Braga, ex-secretário de Obras do Rio de Janeiro. Os repasses, na versão do delator, teriam envolvido o escritório da mulher de Toffoli, a advogada Roberta Rangel.

Em nota, o ministro disse não ter conhecimento dos fatos mencionados e que jamais recebeu os supostos valores ilegais.

Por meio da assessoria, o ministro refutou a possibilidade de ter atuado para favorecer qualquer pessoa no exercício de suas funções.

Últimas notícias