Mendonça nega pedido para apurar compra de imóveis do clã Bolsonaro

A decisão do ministro do STF ocorre um dia após ele derrubar sentença da Justiça do DF que determinava exclusão de matérias sobre o caso

atualizado 24/09/2022 14:41

Igo Estrela/Metrópoles

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) André Mendonça negou um pedido do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) para investigar a suposta compra de imóveis com dinheiro vivo pela família do presidente Jair Bolsonaro (PL).

A representação foi feita com base nas reportagens do site UOL, que revelaram a aquisição de 51 imóveis adquiridos com dinheiro em espécie pelo clã. O senador também pediu a determinação de busca e apreensão de celulares e computadores, além do bloqueio de contas do presidente e dos filhos.

Na decisão, Mendonça considerou que não há elementos suficientes para instaurar o inquérito. Ele argumentou que o pedido foi feito apenas com base na reportagem, “sem que tenham sido apresentados indícios ou meios de prova minimamente aceitáveis que corroborem as informações contidas na referida matéria jornalística”.

“A própria empresa responsável pela matéria, UOL – Universo Online S.A., reconhece não ter feito qualquer imputação de crime ao Presidente da República ou a membros da sua família”, continua Mendonça.

O ministro ainda afirmou que a reportagem , a qual classificou como “sensacionalista” não indica a participação do presidente na aquisição dos imóveis.

“Não se pode ignorar, ademais, o contexto político-eleitoral com que tal matéria veio à lume, ostentando grau de sensacionalismo muito superior ao seu efetivo conteúdo”, sustentou.

Exclusão de matérias

Essa é a segunda decisão de Mendonça sobre o caso. Nessa sexta-feira (23/9), ele decidiu liberar as reportagens do portal UOL sobre a compra de 51 imóveis em dinheiro vivo, derrubando determinação da Justiça do Distrito Federal.

o portal acionou o STF contra a decisão do desembargador Demétrius Gomes Cavalcanti, do Tribunal de Justiça do Distrito Federal. Ele tinha determinado a retirada das reportagens que tratavam das negociações.

Mais lidas
Últimas notícias