Marcelo Odebrecht diz que Lula não tinha influência no governo Dilma

Segundo o empresário, a então presidente era difícil de lidar e empresários faziam uma "romaria" pedindo ajuda do ex-presidente Lula

Gabriel José/AGB/Estadão ConteúdoGabriel José/AGB/Estadão Conteúdo

atualizado 07/10/2019 13:44

O empresário Marcelo Odebrecht afirmou, nesta segunda-feira (07/10/2019), que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) não tinha influência durante o governo da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). Segundo o ex-presidente da estatal, Dilma era “extremamente difícil de lidar”.

Marcelo disse que o pai, Emílio Odebrecht, começou a conversar com Lula com maior frequência quando ele deixou a Presidência da República. O empresário ainda declarou que a classe empresarial estava preocupada com a atuação do governo e, por isso, recorreu ao ex-presidente.

“O Instituto Lula era uma romaria de empresários. Havia um descontentamento da classe empresarial em relação ao rumo que estava tomando o governo Dilma. Ela é extremamente difícil de lidar”, afirmou Marcelo.

Na visão do empresários, as investidas para que Lula convencesse Dilma a tomar determinadas atitudes não valiam de nada. “Esses empresários, entre os quais meu pai, não cansavam de ir a Lula para tentar ver com ele para ver se influenciava ela de alguma maneira. Na minha opinião, ele não conseguia influenciar ela de nenhum jeito”, avaliou.

As declarações foram dadas em depoimento ao juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal de Brasília, na ação penal que Lula responde por tráfico de influência.

 

 

Últimas notícias