Faroeste: desembargadora usou nome de empregada para comprar obras

A desembargadora foi presa no final de novembro de 2019, após tentar destruir provas e descumprir as medidas cautelares

atualizado 30/06/2021 14:38

Reprodução/TJBA

A desembargadora Maria do Socorro Santiago, ex-presidente do Tribunal de Justiça da Bahia (TJBA), teria usado o nome de uma empregada doméstica para pagamentos de obras de arte com o objetivo de lavagem de dinheiro.

O uso do nome da doméstica foi descoberto pelo Ministério Público Federal (MPF) no curso da Operação Faroeste.

A desembargadora foi presa no final de novembro de 2019, após tentar destruir provas e descumprir as medidas cautelares impostas pelo ministro Og Fernandes, do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Confira mais em Bahia Notícias, parceiro do Metrópoles.

Últimas notícias