*
 

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu nesta quarta-feira (16/5) ao ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), que trechos das delações de executivos do grupo J&F não sejam remetidas para a 13ª Vara Federal em Curitiba (PR), comandada pelo juiz Sérgio Moro.

Os advogados alegam que os fatos não têm relação com as investigações da Operação Lava Jato e devem ser remetidos para a Justiça Federal em Brasília, onde tramitam outros processos envolvendo as delações do grupo J&F.

Em um dos depoimentos da delação, o empresário Joesley Batista disse que tratou assuntos de interesse da JBS com o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega no âmbito do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Em contrapartida, o PT teria recebido contribuições em contas no exterior, que poderiam ter Lula como beneficiário.

“Já se encontram em trâmite, perante a Subseção Judiciária de Brasília, três procedimentos investigatórios oriundos dos termos de colaboração para apurar suposta conta que o Grupo JBS manteria em benefício do Peticionário [Lula] ou do Partido dos Trabalhadores”, argumenta a defesa.

 

 

COMENTE

STFptlulasérgio moroEdson Fachinjbsprisão de Lulaprocessos contra Lula
comunicar erro à redação

Leia mais: Justiça