Caso Marielle: Dodge denuncia conselheiro do TCE e abre novo inquérito

Na despedida do cargo, procuradora-geral da República disse que houve "esforço para que as investigações passassem longe" dos reais autores

André Borges/Esp. para o MetrópolesAndré Borges/Esp. para o Metrópoles

atualizado 17/09/2019 19:56

No último ato como comandante da Procuradoria-Geral da República (PGR), Raquel Dodge anunciou nesta terça (17/09/2019) que protocolou denúncia no Superior Tribunal de Justiça (STJ) contra o conselheiro afastado do Tribunal de Contas do Rio de Janeiro (TCE-RJ) Domingos Brazão, por interferir no caso da vereadora assasinada, Marielle Franco (PSol-RJ). Ela também abriu um novo inquérito para apurar as mortes da parlamentar e do motorista Anderson Gomes. As execuções ocorreram em março de 2018.

De acordo com Dodge, Domingos Brazão valeu-se do cargo no TCE para acionar um dos seus servidores com intuito de fazer uma simulação que consistia em prestar informalmente depoimentos e levar uma versão dos fatos à Polícia Federal do Rio. “O que conduziu a investigação para um cúmulo desvirtuado por mais de um ano”, disse.

Segundo a denúncia, houve um desvirtuamento nos depoimentos prestados, para que a linha investigativa passasse longe dos reais autores da execução. “Estou denunciando os que interferiram na investigação para culpar quem não é culpado”, declarou a PGR.

A procuradora também pediu a federalização das investigações que apuram o mandante da ação criminosa. Para Dodge, a Polícia Federal e o MPF devem ser os responsáveis pelo inquérito e não o estado do Rio.

A procuradora-geral afirmou que houve “um esforço” para que as investigações no Rio de Janeiro “passassem longe dos reais autores do crime”. “Há inércia e dificuldade de investigar e identificar os mandantes, elucidando esta parte da trama criminosa”, justificou.

Entenda
De acordo com as investigações, a disputa por pontos políticos estaria por trás da suspeita do possível envolvimento do conselheiro afastado. Ao analisarem o mapa eleitoral das localidades onde Marielle tinha mais votos, os investigadores perceberam que a vereadora concorria, em diferente pontos, com a família Brazão.

O nome do ex-conselheiro aparece em troca de mensagens entre o miliciano Rodrigo Jorge Ferreira e a advogada Camila Moreira. A dupla teria arquitetado uma trama para apontar o ex-PM Orlando Oliveira de Araújo, o Orlando Curicica, além do vereador Marcello Siciliano, como autores do assassinato.

Em um dos diálogos, os agentes destacam que Ferreira é “conhecedor do submundo do crime carioca”, comentando o “curriculum de Brazão, que teria iniciado as atividades empresariais em ferros-velhos, atuando na receptação de carros roubados”. A investigação cita, ainda, que o ex-conselheiro seria ligado à base operacional do Escritório do Crime.

Últimas notícias