Caso Mariana Ferrer: CNJ vai investigar “estupro culposo”

Empresário André de Camargo Aranha foi inocentado das acusações de estupro contra a promoter. Decisão gerou revolta

atualizado 03/11/2020 16:28

Michael Melo/Metrópoles

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) informou, nesta terça-feira (3/11), que a sentença do empresário André de Camargo Aranha, inocentado após ser acusado de estuprar a jovem promoter catarinense Mariana Ferrer, de 23 anos, durante uma festa em 2018, será investigada pela Corregedoria Nacional de Justiça. O julgamento terminou com a decisão que foi cometido um “estupro culposo”. O caso gerou revolta.

Imagens da audiência, obtidas pelo The Intercept Brasil, geraram grande repercussão. De acordo com o promotor responsável pelo caso, não havia como o empresário saber, durante o ato sexual, que Mari não estava em condições de consentir a relação, não existindo assim “intenção” de estuprar.

Sendo assim, o juiz aceitou a argumentação de que André cometeu um “estupro culposo”, um “crime” não previsto na legislação brasileira. Porém, como ninguém pode ser condenado por um crime que não existe, o réu foi absolvido.

O advogado Cláudio Gastão da Rosa Filho, responsável pela defesa do empresário, mostrou várias fotos de Mariana durante a audiência e definiu as imagens como “ginecológicas”. Em momento algum foi questionado por membros do Tribunal de Justiça catarinense sobre a relação das fotos com o caso.

Gastão também disse que “jamais teria uma filha do nível” de Mariana. Bastante incomodada, a influencer respondeu dizendo que está de roupa nas fotos e que elas “não têm nada demais”. A jovem ainda argumentou: “A pessoa que é virgem, ela não é freira não, doutor. A gente está no ano 2020”.

Ele continuou atacando Mariana. “Só aparece essa sua carinha chorando. Só falta uma auréola na cabeça. Não adianta vir com esse teu choro dissimulado, falso, e essa lágrima de crocodilo.”

Após essas falas, um dos membros do Tribunal de Justiça percebeu que Mariana chorava muito ao ouvir as palavras e perguntou se ela queria sair um pouco para se recompor.

Últimas notícias