Barroso autoriza condução coercitiva de Wizard para ir à CPI da Covid

O ministro do STF negou pedido da defesa do empresário. Ele é apontado como integrante do "gabinete paralelo"

atualizado 18/06/2021 20:22

WizardSforza Holding/Divulgação

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou nesta sexta-feira (18/6) a condução coercitiva do empresário Carlos Wizard para prestar depoimento à CPI da Covid. Ele negou pedido da defesa, que tentava blindar Wizard de depor aos parlamentares no Senado.

“As providências determinadas pela Comissão Parlamentar de Inquérito, no sentido do comparecimento compulsório do paciente, estão em harmonia com a decisão por mim proferida. Naturalmente, se houver qualquer espécie de abuso na sua execução, poderá o impetrante voltar a peticionar. Mas, por ora, este não é o caso”, escreveu Barroso.

Leia a íntegra:

Wizard by Metropoles on Scribd

A retenção já foi determinada pela Justiça Federal de Campinas (SP). Nesta sexta-feira (16), a Polícia Federal esteve na casa e em uma empresa ligada a Wizard.

A convocação de Wizard foi aprovada diante da suspeita de integrantes da comissão de que ele integre o “gabinete paralelo”, que teria assessorado o presidente Jair Bolsonaro em assuntos relacionados à pandemia.

O depoimento do empresário à CPI estava marcado para quinta-feira (17/6), mas Carlos Wizard não compareceu. Segundo a defesa, ele está nos Estados Unidos, acompanhando o tratamento de saúde de um familiar.

Diante do não comparecimento, a CPI quebrou os sigilos de Wizard, e o presidente da comissão, Omar Aziz (PSD-AM), pediu à Justiça a condução coercitiva e a retenção do passaporte do empresário.

Últimas notícias