Aras defende PGR de olho em vulneráveis e não menciona corrupção

Para o chefe da PGR, a instituição tem que focar nas pessoas que são "vítimas" do sistema econômico e social

atualizado 03/02/2020 15:10

Hugo Barreto/Metrópoles

O procurador-geral da República, Augusto Aras, ignorou os recentes episódios de corrupção envolvendo integrantes do governo e afirmou, nesta segunda-feira (03/02/2020), que o Ministério Público Federal está preocupado em “proteger os mais vulneráveis”. As declarações foram dadas na sessão solene de abertura do ano no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

“Estamos preocupados em proteger os vulneráveis. As vítimas de crimes e as famílias vitimadas, as quais se encontram com o MP pra que promova o devido processo legal, respeitando a defesa dessas maiores vítimas de um sistema econômico e social muitas vezes injusto”, disse Aras.

Para o PGR, esse ano impõe a busca incessante dos direitos da pessoa humana. “A proteção de dados e todo o processo criativo, bem como a proteção da educação e da saúde de crianças e idosos”, continuou Augusto Aras.

Segundo o PGR, o órgão vai trabalhar em conjunto com o STJ para acabar com conflitos, principalmente nas áreas econômicas, com uso dos instrumentos de conciliação.

“Oferecer à sociedade uma prestação jurídica coerente promove a unidade do direito federal. Além disso, propicia um ambiente adequado aos cidadãos e investidores e contribui para o desenvolvimento nacional”, avaliou Aras.

Últimas notícias