Justiça determina retirada de vídeo em que Russomanno ataca Boulos

Juiz afirma que candidato do Republicanos associou adversário a irregularidades praticadas por outros movimentos sociais

atualizado 31/10/2020 13:57

Rafaela Felicciano/Metrópoles

São Paulo – A Justiça Eleitoral de São Paulo deu um prazo de 48 horas para que o Facebook exclua uma postagem feita pelo candidato a prefeito de São Paulo Celso Russomanno (Republicanos) que associa Guilherme Boulos (PSol) à cobrança de aluguel do edifício Wilton Paes de Almeida, que pegou fogo e desabou em de maio de 2018, no Largo do Paissandu, no centro de São Paulo. O vídeo que circulou nas redes sociais se chama “Receita de um Boulos de problemas”.

Em sua decisão, o juiz Renato de Abreu Perini, da 2ª Zona Eleitoral, afirma que a propaganda veiculou “informação errônea” ao tentar associar o candidato com a cobrança de aluguel de moradores do imóvel. “É caso de propaganda impugnada. Há probabilidade do direito, uma vez que, aparentemente, haveria informação errônea na propaganda”, disse Perini.

O juiz lembra que, conforme amplamente divulgado pela imprensa, a cobrança de aluguel no imóvel não tinha relação com os movimentos sociais organizados por Boulos. O caso envolveu outros grupos, que tiveram seus líderes presos.

Em queda nas últimas pesquisas de intenção de votos, Russomanno passou a atacar o candidato do PSol, que vem crescendo. No Datafolha, os dois estão tecnicamente empatados na disputa pela segunda vaga no segundo turno.

“Vai ter que deletar a fake news, Russomanno! Russomanno postou vídeo mentiroso em suas redes onde me associava a cobrança de aluguel em prédio que pegou fogo no Centro de São Paulo. A Justiça Eleitoral decidiu que o vídeo tem que ser excluído!”, escreveu o candidato do PSol em seu Twitter.

 

0

Últimas notícias