metropoles.com

Justiça concede prisão domiciliar para bolsonarista que matou petista

Juiz converteu a prisão preventiva do policial Jorge Guaranho para domiciliar. Bolsonarista precisará usar tornozeleira eletrônica

atualizado

Compartilhar notícia

Reprodução/Redes sociais
Jorge José da Rocha Guaranho, acusado de matar tesoureiro petista
1 de 1 Jorge José da Rocha Guaranho, acusado de matar tesoureiro petista - Foto: Reprodução/Redes sociais

A Justiça converteu, nesta quarta-feira (10/8), a prisão do policial penal Jorge Guaranho de preventiva para domiciliar. O apoiador do presidente Jair Bolsonaro (PL) é acusado de matar a tiros o tesoureiro do PT Marcelo Arruda.

A decisão foi tomada pelo juiz Gustavo Germano Francisco Arguello, da 3ª Vara Criminal de Foz do Iguaçu, após o Complexo Médico-Penal de Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, alegar que não tinha estrutura suficiente para receber o bolsonarista.

“Neste caso, sem desprezar a prova da existência do crime e indícios suficientes de autoria e, sequer, a gravidade do suposto delito pelo qual o requerente está sendo processado (o que foi bem evidenciado pela decisão deste juízo, em mov. 23.1), deve-se atentar à peculiar situação do acusado, o qual demanda cuidados médicos especiais, sendo certo que as unidades prisionais locais e tampouco o Complexo Médico Penal (na região metropolitana de Curitiba/PR) estão aptos a lhe oferecer as devidas cautelas indispensáveis a sua convalescência”, escreveu Germano.

A defesa de Guaranho argumentou à Justiça que ele não consegue executar atividades básicas sem auxílio de outras pessoas. Sendo assim, segundo o advogado do policial, o local não teria a estrutura necessária para recebê-lo.

Por ser agente penal federal, Guaranho ocuparia uma cela isolada dos demais detentos.

O investigado seria levado para o Complexo Médico-Penal, em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, ainda nesta quarta-feira (10/8).

Na decisão, o magistrado determinou que Guaranho deve utilizar tornozeleira eletrônica enquanto estiver em prisão domiciliar.

Veja a íntegra da decisão:

DecisaoconvertePPemDomiciliar by Mariah Aquino on Scribd

O caso

O guarda municipal de Foz do Iguaçu Marcelo Arruda, candidato a vice-prefeito pelo PT nas últimas eleições, foi assassinado a tiros durante sua festa de aniversário de 50 anos, na noite de 9 de julho. A festa tinha como tema o PT e fazia várias referências ao ex-presidente e pré-candidato Luiz Inácio Lula da Silva.

O evento seguia normalmente quando, por volta das 23h, Jorge Guaranho, que se declara apoiador do presidente Jair Bolsonaro (PL), foi ao local e discutiu com os participantes. Ele levava no carro a esposa e a filha, um bebê de colo.

Em julho, 0 Ministério Público do Paraná denunciou Guaranho pelo homicídio de Marcelo Arruda. Um dos agravantes apontados pelos promotores foi o “motivo fútil” para o homicídio, “havendo a querela sido desencadeada por preferência política-partidária”. Outra qualificação apontada pelos autores da denúncia foi a possibilidade de a ação “resultar em perigo comum” ou coletivo.

Após a primeira briga, na qual teve terra atirada contra seu veículo, Guaranho saiu, mas afirmando que voltaria. Minutos depois, retornou sozinho e armado e atirou em Marcelo, que revidou e baleou o policial.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?