Julho de chuvas escassas piora ainda mais a crise energética

Cidades do Sul tiveram o mês mais seco até agora, mesmo que fosse o período de precipitação mais abundante na parte meridional do país

atualizado 05/08/2021 14:32

TQ TRES MARIAS / MINAS GERAIS 09.10.2014 ECONOMIA ESPECIAL DOMINICAL Usina Hidrelétrica de Três Marias, na cidade de mesmo nome, opera apenas com duas turbinas (possui sete). Usina á abastecida com a água do Rio São Francisco que como outros rios do país sofre com a falta de chuva e seca. Três Marias está próxima de alcançar seu "volume zero" e deixar de produzir energia. FOTO TIAGO QUEIROZ/ESTADÃOTIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

O mês de julho é por natureza mais seco no Brasil Central enquanto mais ao Sul do país costuma ter mais chuva por ser inverno, estação que junto com a primavera traz os mais altos índices de chuva no caso do Rio Grande do Sul. Neste ano, entretanto, onde já é seco foi mais seco que o normal e onde costuma chover mais choveu muito pouco.

Ao longo do mês de julho três frentes frias cruzaram o Sul do país, porém de uma forma geral não trouxeram acumulados significativos na grande maioria das áreas e o mês acabou com chuva abaixo da média histórica.

No Centro-Oeste e no Sudeste, por sua vez, o período de inverno é climatologicamente um período de pouca chuva e em muitas áreas não choveu uma gota sequer como foi o caso de muitas áreas de Minas Gerais, Goiás, Tocantins e do Leste do Mato Grosso.

Leia mais em MetSul, parceiro do Metrópoles.

Mais lidas
Últimas notícias