Juiz nega pedido de fazendeiro e mantém indígenas em área disputada

Indígenas reivindicam retomada do território de Guapo’y, em Amambai (MS). Em junho, dois morreram no local em confronto com policiais

atualizado 05/07/2022 18:31

Hugo Barreto/Metrópoles

A Justiça Federal de Ponta Porã (MS) indeferiu, nessa segunda-feira (4/7), pedido para despejar os indígenas da etnia Guarani Kaiowá de uma região em Amambai (MS). A solicitação foi feita pelo fazendeiro que ocupa atualmente a área.

A decisão não implica na resolução do caso. Mas, por ora, os indígenas que tomam a área devem ser protegidos e terão “atenção às suas reivindicações”, segundo determinação do juiz Thales Braghini Leão.

0

O magistrado considerou as falas do antropólogo do Ministério Público Federal (MPF), que esteve no local dos conflitos, e afirmou que os indígenas respeitam a propriedade e não danificam bens no interior dela durante a ocupação.

Conflito entre indígenas, fazendeiros e policiais

Amambaí, no Mato Grosso do Sul, é terra de conflito entre fazendeiros, policiais e indígenas da etnia Guarani Kaiowá. Os indígenas tentam retomar a área, ocupada atualmente por uma fazenda, e afirmam que o local faz parte da terra indígena Guapo’y.

A reserva de Amambai é a segunda maior do estado em termos populacionais, com quase 10 mil nativos. Para os indígenas, a terra é parte de um território que lhes foi roubado.

Em junho, um confronto em Amambai entre o Batalhão de Choque da Polícia Militar do estado e indígenas resultou na morte do indígena Vitor Fernandes, de 42 anos, baleado por policiais. Além da morte de Vitor, o conflito deixou outros sete indígenas feridos.

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

Mais lidas
Últimas notícias