Juiz Marcelo Bretas condena Cabral a mais de dez anos por corrupção

Sentença incluiu outros quatro réus acusados de esquema de propina montado por ex-governador no Palácio Guanabara

atualizado 04/03/2021 18:37

Sérgio Cabral dá entrevistaDivulgação

Rio de Janeiro – O juiz da 7ª Vara Federal Criminal, Marcelo Bretas, condenou o ex-governador do Rio de Janeiro Sergio Cabral por corrupção passiva a mais dez anos e quatro meses de prisão.  Preso no Complexo Penitenciário de Gericinó, Cabral tem penas somadas que ultrapassam os 300 anos de condenações.

Denunciado em 2018 pelo Ministério Público Federal (MPF), Cabral é acusado de receber 1% de propina, batizada de taxa de oxigênio, da Construtora Oriente, via Secretaria de Obras, então comandada por Hudson Braga, entre os anos de 2010 a 2014. Foram mapeados contratos de mais de R$ 1,5 milhão.

Além de Cabral e Hudson foram condenados Wagner Jordão, que também era integrante do governo, e os empresários Alex Sardinha e Geraldo André de Miranda Santos. No processo, eles negam as acusações.

“Ao ser interrogado perante este juízo, Sergio Cabral confirmou ter recebido dinheiro proveniente de corrupção na Secretaria de Obras, sem saber precisar os valores efetivamente recolhidos, bem como revelou todo o sistema operacional envolvido desde as tratativas realizadas por ele e Hudson Braga com auxílio de Wagner Jordão até o recolhimento de valores junto a Alex Sardinha e Geraldo André, o que demonstra total ciência sobre o procedimento utilizado para recebimento dos recursos espúrios”, escreveu Bretas na sentença.

Últimas notícias