Indígena morre em Roraima após ser atropelado por avião, diz conselho

O presidente do Condisi afirma que a morte do rapaz de 25 anos aconteceu "na intenção de matar" e que garimpeiro teria sido o responsável

atualizado 30/07/2021 17:43

O Conselho Distrital de Saúde Indígena (Condisi) denunciou, nesta sexta-feira (30/7), a morte de um indígena de 25 ano,s depois de ser atropelado por um avião em uma pista de pouso na comunidade do Homoxi, município de Iracema, no sul de Roraima.

De acordo com o portal Folha BV, os indígenas da região informaram que ele foi atropelado na quarta-feira (28/7). O Condisi classificou o acontecimento como homicídio.

Júnior Hekurari Yanomami, presidente do conselho, foi apurar o caso na região e relatou que um garimpeiro foi responsável pelo atropelamento. Hekurari também afirma que o garimpeiro causou o acidente “na intenção de matar”.

A comunidade informou ao presidente do Condisi que os garimpeiros retornaram ao local de helicóptero depois do ocorrido e levaram o corpo do indígena, sua esposa e os filhos para a comunidade Yamasipiu, que fica na região de Haxiú, município de Alto Alegre, também em Roraima.

Hekurari relatou que esta seria a segunda vez que o mesmo garimpeiro teria matado um indígena por atropelamento. O presidente conta que, no outro caso, a vítima foi uma mulher.

“Os próprios garimpeiros estão dominando a Terra Indígena Yanomami, principalmente o Homixi está destruído. Eles decidem quem tem que pousar pelo rádio. O movimento dos helicópteros e dos aviões é muito grande”, afirma Júnior Hekurari.

O ofício com a denúncia também foi enviado para a Coordenação Distrital de Saúde Indígena Yanomami, para o Secretário Especial de Saúde Indígena, para o Ministério Público Federal e para a Polícia Federal.

O Condisi afirmou, no ofício, que a prática dos garimpeiros é uma tentativa de silenciar e intimar a comunidade.

Últimas notícias