Dono de uma carreira brilhante, o jornalista Ricardo Eugênio Boechat morreu, nesta segunda-feira (11/2), na queda de um helicóptero em São Paulo. Aos 66 anos, ele era âncora do programa matutino da Band News FM e do Jornal da Band, apresentado à noite, na TV Bandeirantes. O repórter era casado com Veruska Seibel Boechat e deixa seis filhos.

Filho de Mercedez e Dalton Boechat, um diplomata brasileiro, Ricardo nasceu em julho de 1952 em Buenos Aires, na Argentina, quando o pai estava em missão. Iniciou sua carreira jornalística na década de 1970, no extinto Diário de Notícias. Em 1976, foi ao jornal O Globo, como auxiliar da coluna social de Ibrahim Sued, onde ganhou projeção.

Ao longo da carreira, Boechat passou pelas redações dos mais importantes veículos do país, entre eles, o Estado de S.Paulo, O Dia, Jornal do Brasil e Rede Globo. Em 1987, ocupou por seis meses o cargo de secretário de comunicação social do então governador do Rio de Janeiro, Moreira Franco.

Acervo TV Globo

Ricardo Boechat na redação do Bom Dia Brasil

 

Boechat ganhou o Prêmio Esso, a maior honraria do jornalismo no país, em três ocasiões: 1989, 1992 e 2001. Também foi o maior vencedor da história do Prêmio Comunique-se: o único jornalista a faturar a condecoração em três categorias diferentes – âncora de rádio, colunista de notícia e âncora de TV. O jornalista venceu ainda o Troféu Imprensa de 2016 como melhor apresentador de telejornal.

Nas redes sociais, diversos jornalistas e personalidades prestaram homenagens a Boechat.