Grupo é preso suspeito de aplicar golpe de quase R$ 85 mil em idosa

Polícia informou que cinco suspeitos foram presos pelo estelionato. Quatro deles teriam admitido autoria do crime contra idosa de Jataí (GO)

atualizado 31/03/2022 9:27

Grupo é preso suspeito de dar golpe de quase R$ 85 mil em idosa ao se passar pelo filho dela, em GoiásReprodução

Goiânia – A Polícia Civil de Goiás prendeu um suspeito de aplicar golpe de quase R$ 85 mil em uma idosa de 68 anos ao se passar pelo filho dela em aplicativo de mensagens no celular, em Jataí, no sudoeste do estado, a 320 km da capital. Três homens e duas mulheres foram presos na Grande Goiânia.

A prisão dos suspeitos foi divulgada na quarta-feira (30/3), cinco dias depois da prisão dos suspeitos. O golpe foi praticado na quinta-feira (24/3) e na sexta-feira (25/3) da última semana. Segundo a polícia, durante interrogatório, quatro presos admitiram a prática criminosa, e outro ficou em silêncio.

A equipe de investigação informou que, após transferir a quantia de R$ 84.918, os suspeitos ainda pediram nova transferência de dinheiro. No entanto, a mulher não fez o Pix, desconfiou e foi à delegacia. Os nomes dos presos não foram divulgados pela polícia.

Golpe

A polícia explicou que esta modalidade de estelionato é conhecida como “golpe do novo número”. Na prática, o criminoso cria um perfil no aplicativo de mensagens com fotos das redes sociais dos parentes e começa a conversar com amigos ou familiar da pessoa.

Segundo a investigação, até a tarde de quarta-feira, o dinheiro da idosa não havia sido recuperado e é possível que o grupo tenha feito outras vítimas. Os presos devem responder por crime de associação criminosa e estelionato eletrônico contra idoso.

Os suspeitos foram levados para o presídio, passaram por audiência de custódia, e a Justiça determinou o pagamento de uma fiança do valor do golpe para que fossem soltos.

O Metrópoles não encontrou contato da defesa dos suspeitos até o momento em que publicou este texto mas o espaço segue aberto para manifestações.

Mais lidas
Últimas notícias