Governo federal anuncia 4ª dose contra Covid para imunossuprimidos

Medida foi tomada considerando a "tendência de redução da efetividade das vacinas contra a Covid-19 com o passar do tempo", diz governo

atualizado 20/12/2021 13:27

Fotografia colorida. Enfermeira dosa quantidade de vacina em seringa para aplicaçãoFábio Vieira/Metrópoles

O Ministério da Saúde anunciou, nesta segunda-feira (20/12), que imunossuprimidos poderão tomar a quarta dose da vacina contra a Covid-19. A informação foi divulgada na Nota Técnica nº 65, disponível no site do órgão federal.

De acordo com a pasta, a medida foi tomada considerando a “tendência de redução da efetividade das vacinas contra a Covid-19 com o passar do tempo”. O ministério ressaltou que, por essa razão, vai “mudar a estratégia de vacinação” de pessoas com idade de 18 anos ou mais.

0

Ibaneis anuncia antecipação da dose de reforço de 5 para 4 meses no DF

Imunocomprometidos poderão receber a quarta dose em um período de, no mínimo, quatro meses após a administração da terceira dose. A medida vale apenas para pessoas maiores de 18 anos de idade.

Segundo a nota técnica, são enquadrados como imunocomprometidos:

  • Pessoas com imunodeficiência primária grave;
  • Pessoas que realizaram quimioterapia para câncer;
  • Transplantados de órgão sólido ou de células tronco hematopoiéticas;
  • Pessoas vivendo com HIV/AIDS;
  • Pessoas que fazem uso de corticoides em doses iguais ou maiores que 20 mg/dia de prednisona, ou equivalente, por 14 ou mais dias;
  • Pessoas que fazem uso de drogas modificadoras da resposta imune;
  • Pessoas com doenças autoinflamatórias ou intestinais inflamatórias;
  • Pacientes em hemodiálise; e
  • Pacientes com doenças imunomediadas inflamatórias crônicas.

Leia a nota técnica na íntegra:

SEI_MS – 0024429242 – Nota Técnica 65 – Antecipação Da Dose de Reforço by Lourenço Flores on Scribd

Intervalo de quatro meses

Na mesma nota técnica, o governo estabelece as novas medidas para dose de reforço de pessoas sem doenças graves. O intervalo passou a ser de quatro meses para a aplicação da dose adicional — o intervalo anterior era de cinco meses.

De acordo com o ministro Marcelo Queiroga, o objetivo da medida é ampliar a proteção da população diante do avanço da variante Ômicron.

“A dose de reforço é fundamental para frear o avanço de novas variantes e reduzir hospitalizações e óbitos, em especial em grupos de risco”, escreveu nas redes sociais.

O anúncio ocorreu após a Câmara Técnica da Secretaria de Enfrentamento à Covid-19 do governo realizar um estudo sobre a modificação.

Pesquisas da Universidade de Oxford, na Inglaterra, separaram dois grupos que haviam recebido as duas doses da vacina contra a doença – um de 18 a 60 anos e outro com maiores de 60 anos, em São Paulo e Salvador. A dose de reforço foi aplicada 28 dias depois.

Mais lidas
Últimas notícias