Goiás: secretário de Nova Veneza entra na lista de fura-filas da vacina

Deijar José do Carmo, de 59 anos, recebeu imunização antes de 264 pessoas com mais de 80 anos que têm prioridade no município

atualizado 06/02/2021 8:56

Secretário de Saúde de Nova Veneza (GO), Deijar do CarmoReprodução/Facebook

Goiânia – O secretário de Saúde do município de Nova Veneza, a 33 quilômetros de Goiânia, é mais um dos fura-filas da vacinação contra a Covid-19 em Goiás. Deijar José do Carmo, de 59 anos, recebeu a primeira dose mesmo sem estar no grupo de risco definido pelos planos nacional e estadual de imunização. O titular da pasta passou na frente de mais de mil idosos, a partir de 60 anos, que ainda aguardam pela vacina, segundo dados da Coordenação de Vigilância Epidemiológica municipal.

Em live nesta sexta-feira (5/2), o governador Ronaldo Caiado (DEM) assumiu uma postura mais dura, após críticas da imprensa, e determinou foco total da vacinação nas pessoas acima de 80 anos. Segundo ele, todas as vacinas que chegarem a Goiás de agora em diante serão destinadas a esse grupo. O prefeito de Nova Veneza, Valdemar Batista Costa, é do mesmo partido de Caiado.

Com o caso de Deijar, 15 municípios têm em andamento investigação do Ministério Público do Estado de Goiás (MPGO) sobre fura-filas ou desrespeito aos planos estadual e nacional de vacinação. Para ter uma ideia da gravidade da irregularidade, o secretário passou na frente de 264 idosos com mais de 80 anos, de acordo com dados da Coordenação de Vigilância Epidemiológica, baseados em cadastro do Sistema Único de Saúde (SUS).

Ao Metrópoles, o secretário de Saúde de Nova Veneza admitiu nesta sexta que tomou a vacina. “Tomei”, afirmou. Após ser questionado pelo portal sobre o motivo de ter furado a fila, ele ficou em silêncio e não respondeu porque foi vacinado mesmo sem estar nos grupos de risco. A reportagem insistiu, repetindo a mesma pergunta, e, em seguida, ele titubeou e disse que “a responsável pelas vacinas” na cidade iria “explicar melhor”.

Ao também admitir que o secretário havia sido vacinado, a coordenadora da Vigilância Epidemiológica do município, Cássia Leão Ramos, disse que o caso da vacinação do secretário é o único de alguém que tenha sido beneficiado fora do grupo de risco em Nova Veneza. “Aqui [na cidade], ele é a única pessoa fora do parâmetro que foi vacinada, não pelo cargo de secretário, mas pelas atividades que está exercendo com a equipe de fiscalização nas ruas”, alegou.

‘Secretário fiscal’

Cássia disse que o secretário de Saúde está atuando com grupos de fiscalização nos comércios, “fazendo orientação em relação ao aumento de casos da Covid-19 na cidade”. “Foi por esse motivo que ele foi vacinado”, afirmou, sem esconder sinais de que Deijar continuava próximo dela enquanto concedia entrevista. Fiscais da Vigilância Sanitária municipal rebateram a informação e disseram que “essa fala da coordenadora é apenas desculpa para o caso passar batido”.

A coordenadora atribuiu o caso de fura-fila a “muitas dúvidas” sobre como vacinar a população, apesar de os planos nacional e estadual de imunização terem definido os grupos prioritários. “A gente fica de pés e mãos atadas”, disse. “A gente fez [a vacina no secretário] com a maior segurança, sabendo que iria ser questionada”, acrescentou.

Em Nova Veneza, de acordo com a Coordenação de Vigilância Epidemiológica, 144 das 150 doses recebidas já foram aplicadas até esta sexta-feira, incluindo todos os 106 profissionais de saúde da redes pública e privada do município – apenas 74 deles atuam na linha de frente no combate ao coronavírus.

Segundo a coordenadora, também receberam a primeira dose todos os 31 idosos que vivem no único abrigo filantrópico da cidade e oito pessoas acamadas com mais de 80 anos. Ela não explicou porque o município ainda não aplicou todas as vacinas recebidas até o momento.

A promotora de Justiça Elaini Cristina Alves Pires pediu explicações para o secretário de Saúde pela informação de ele ter furado a fila. Deijar ainda não havia respondido ao MPGO até esta-sexta-feira. A reportagem ligou para o celular do prefeito de Nova Veneza nesta sexta, mas ele não atendeu. Fontes próximas de Costa disseram que ele tinha viajado.

Outros casos

Casos de fura-fila têm se espalhado no estado. Além de Nova Veneza, segundo levantamento atualizado, os demais casos de supostos fura-filas ainda em investigação do Ministério Público estão em Iporá, Mineiros, Crixás, Catalão, Senador Canedo, Goiânia, Nerópolis, Guapó, Caçu, Jussara, Aparecida de Goiânia, Goiatuba, Santa Rita do Araguaia e Leopoldo de Bulhões.

Em Iporá, a 226 quilômetros de Goiânia, o prefeito Naçoitan Araújo Leite (PSDB) é investigado pelo MPGO em um inquérito que apura suposto esquema de desvio de vacinas contra a Covid-19 no município. A informação é que ao menos três familiares do tucano teriam furado a fila de vacina sem que os nomes deles constassem de lista oficial inicialmente divulgada pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS) no Portal da Transparência. Ele nega as suspeitas.

O MP instaurou, de ofício, dois procedimentos, um em Pires do Rio, no sudeste goiano, que resultou na celebração de um acordo de não persecução penal com pagamento de R$ 50 mil para o combate à Covid-19; e outro em Santa Helena de Goiás. Em Pires do Rio, o então secretário de Saúde foi exonerado após furar a fila para vacinar a esposa.

O episódio do ex-deputado federal Jovair Arantes, de 69 anos, também gerou críticas da população. Ele recebeu a vacina contra a Covid-19 na quinta-feira (4/2), na Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Goiás (UFG), em Goiânia, aproveitando-se de que tem seu registro ativo no conselho profissional da categoria. No entanto, ele não atende a pacientes há pelo menos 30 anos nem atua na linha de frente no atendimento a pessoas contaminadas pelo coronavírus. A reportagem não conseguiu localizá-lo.

Adolescentes vacinados

Além dos fura-filas, o estado também tem casos de pelo menos 20 adolescentes com menos de 18 anos que foram vacinados contra a Covid-19. Até a última quarta-feira (3/2), a Secretaria Estadual de Saúde (SESGO) havia identificado pessoas com menos de 17 anos que receberam a imunização.

Conforme a secretaria, todos eles são prestadores de serviços, trabalham em unidades de saúde, principalmente na recepção de pacientes e atividades gerais. No entanto, ainda que estejam na linha de frente de combate à pandemia, sob grande risco de contaminação, o protocolo não indica vacinação deste público. As vacinas autorizadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) até agora são contraindicadas a esse grupo.

Total de vacinas

Goiás superou a marca de 125 mil vacinados contra a Covid-19 nesta sexta-feira. O estado já recebeu 278.480 doses de vacinas contra a Covid-19, sendo 212.980 da Coronavac e 65.500 da AstraZeneca. Destas, foram distribuídas 155.780 doses, sendo 90.280 da CoronaVac e 65.500 da AstraZeneca.

No total, 7.685 pessoas já morreram por causa do coronavírus em Goiás. Além disso, 359.918 casos de contaminação foram registrados até o momento no estado, onde há 307.406 suspeitas em investigação.

Últimas notícias