Goiânia: condenado por desvios, ex-vereador passa a usar tornozeleira

Amarildo Pereira recebeu sentença de cinco anos por fraude no INSS e chegou a ser considerado foragido; ele foi vereador entre 2001 e 2008

atualizado 28/07/2021 17:40

Reprodução

Goiânia – O ex-vereador da capital goiana Amarildo Pereira passou a ser monitorado por uma tornozeleira eletrônica desde a última semana. Ele foi condenado a cinco anos e 10 meses de prisão por peculato, em outubro do ano passado.

Amarildo é condenado por fraudes no Instituto Nacional de Seguro Social (INSS) em desvios na Câmara Municipal e na então Companhia Municipal de Obras (Comob). Os crimes teriam ocorrido entre 2001 e 2004.

Ele foi vereador da capital por dois mandatos: 2001 a 2004 e 2005 a 2008.

Em abril deste ano, Amarildo chegou a ser considerado foragido, após determinação de prisão da Vara de Execução Penal. No entanto, a decisão foi revogada e um segundo juiz entendeu que houve erro do cartório judicial.

A defesa do ex-vereador entrou com um pedido judicial de anulação da condenação, por considerá-la injusta. O advogado Pedro Paulo de Medeiros, que representa o ex-vereador, defende que Amarildo nunca esteve foragido.

Entenda o caso

A demora de 15 anos para que a Justiça Federal condenasse, em definitivo, o ex-vereador provocou a prescrição dos crimes de peculato, falsidade ideológica e formação de quadrilha. Por isso, ele ficou livre da prisão.

Dessa forma, resta apenas a condenação na Justiça estadual contra o ex-vereador, que é de 5 anos e 10 meses, e será cumprida em regime inicialmente semiaberto.

Amarildo é pai do atual deputado estadual, delegado Humberto Teófilo (PSL), e do advogado Amarildo Filho (PSL), que foi candidato derrotado à Câmara de Goiânia, em 2020.

Últimas notícias