GO: polícia investiga transporte de combustível irregular em helicóptero

Aeronave fez pouso forçado em bairro de Goiânia na manhã desta quarta (13/10); polícia investiga possível infração penal

atualizado 14/10/2021 18:02

Helicóptero faz pouso forçado em GoiâniaVinícius Schmidt/Metrópoles

Goiânia – A Polícia Civil de Goiás informou que a Delegacia Estadual de Investigações Criminais (Deic) instaurou procedimento preliminar para apurar a possível ocorrência de infração penal relativa ao pouso forçado do helicóptero ocorrido na capital goiana nessa quarta-feira (13/10). A aeronave estaria transportando combustível de forma irregular.

De acordo com a corporação, foi solicitado laudo pericial no combustível transportado e os envolvidos vão ser ouvidos para explicar a origem do produto.

0

Ao Metrópoles, o advogado do proprietário do helicóptero, Paulo Borges, afirmou que é uma prática comum aeronaves transportarem combustível. “Tinham três galões de combustível, mas coisa pequena, só estava lá dentro. Três galões de 1 litro. Normalmente as aeronaves levam combustível, mas a ANAC tem regulamentação. É só regulamentação, não quer dizer que está proibindo”.

Pouso forçado

Um helicóptero da fabricante Robinson teve que fazer um pouso forçado no início da tarde desta quarta-feira (13/10) no residencial Independência das Mansões, região noroeste da capital de Goiás.

A aeronave de Rubiataba, interior do estado, estaria em um teste de manutenção na saída de Inhumas, pela rodovia GO-070, quando realizou um procedimento de pouso chamado “autorrotação”, que normalmente é feito quando há falha de motor.

Havia dois ocupantes no helicóptero e ninguém se feriu. O pouso forçado foi feito em uma área aberta, ao lado de um ginásio de esportes, dentro da cidade.

Veja o vídeo:

Após o pouso forçado, a aeronave ficou com os esquis de pouso e parte da lataria danificados. Segundo consulta no Registro Aeronáutico Brasileiro, o helicóptero Robinson PR-TRK está com seu certificado de aeronavegabilidade cancelado, que é a capacidade de uma aeronave de realizar um voo seguro ou navegar com segurança no espaço aéreo.

O advogado do proprietário do helicóptero, Paulo Borges, informou que a aeronave fazia um teste de voo para ser regularizada e leiloada. A Polícia Militar chegou primeiro ao local e a Polícia Científica de Goiás realizou a perícia do helicóptero.

A área em que o helicóptero realizou o pouso forçado fica a cerca de 3 quilômetros de uma empresa que realiza manutenção em helicópteros, entre eles da fabricante Robinson. O portal entrou em contato com a empresa e aguarda retorno.

Últimas notícias