Gabriel Monteiro: depoimentos citam orgia, drogas e menina de uniforme

Novos depoimentos resultaram em ação da polícia nesta quinta-feira (7/4) na casa de parlamentar e ex-PM. Gabinete foi lacrado na ação

atualizado 07/04/2022 17:18

Gabriel Monteiro vai responder a processo de cassação aberto por Conselho de Ética e Disciplina na Câmara de VereadoresAline Massuca/Metrópoles

Rio de Janeiro – Orgias com menores regadas a drogas, vídeos de relações sexuais compartilhados na internet como “troféu” e namorada de 15 anos que costumava ser vista de uniforme escolar em sua casa fazem parte do novo leque de denúncias contra o vereador Gabriel Monteiro, do PL, que culminaram em ação da polícia nesta quinta-feira (7/4).

Em depoimento à 42ª DP (Recreio dos Bandeirantes), três testemunhas afirmaram a predileção de Gabriel Monteiro por relacionamentos com menores. Monteiro foi levado à delegacia para prestar esclarecimentos no procedimento que apura o vazamento de vídeos mantendo relações sexuais com uma adolescente de 15 anos.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
0

De acordo com as investigações, Monteiro se relacionava havia dez meses com a menor, mas sustenta que pensava que ela era maior de idade. “A vítima tinha o hábito de estudar na casa do investigado com uniforme escolar”, contou uma testemunha. O depoente disse ainda que o vereador afirmou que tinha preferência por se relacionar com menores.

Nesta quinta-feira (7/4), sete pessoas foram alvos de mandados de busca e apreensão, entre elas Rafael Sorrilha, a quem o vereador acusa de estar envolvido com a máfia dos reboques e ex-funcionários de Gabriel. Na Câmara de Vereadores, o gabinete do youtuber foi lacrado.

Na casa do parlamentar, foram apreendidos documentos e armas. O ex-PM também informou à polícia que cinco HDs e quatro cartões de memórias foram furtados de sua resdiência por ex-funcionários. O juiz Guilherme Grandmasson Ferreira Chaves determinou ainda a quebra de dados do material apreendido.

Cassação

Denúncias de estupro de quatro mulheres, o uso de gravações forjadas com criança e um morador em situação de rua que foi convencido pela equipe de Gabriel Monteiro a simular um furto foram determinantes para o Conselho de Ética e Disciplina da Câmara de Vereadores abrir o processo de cassação contra o vereador.

Na próxima terça-feira (12/4), o Conselho vai escolher quem será o relator do caso. Para ser cassado, serão necessários 34 votos dos 51 parlamentares em decisão do plenário da Casa. Vereador-youtuber, Gabriel Monteiro ganhava até R$ 300 mil com vídeos postados em rede social.

Mais lidas
Últimas notícias