metropoles.com

Fiocruz cria inteligência artificial para diagnóstico de hanseníase

Estudo foi feito em parceria com a Microsoft e a farmacêutica Novartis. Objetivo é reduzir em 70% os novos casos da infecção até 2030

atualizado

Compartilhar notícia

Foto: Divulgação
Hanseníase_Fiocruz
1 de 1 Hanseníase_Fiocruz - Foto: Foto: Divulgação

Rio de Janeiro – A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), a Microsoft e a farmacêutica Novartis criaram uma inteligência artificial para acelerar o diagnóstico de hanseníase. A inovação, que é inédita, pode contribuir na busca para erradicar a doença, que é uma das mais antigas do mundo.

No estudo, os pesquisadores mostram que, a partir de fotos das lesões na pele dos pacientes e de dados clínicos coletados por médicos, o assistente de diagnóstico indica a probabilidade da doença.

3 imagens
Fiocruz e duas empresas criaram uma inteligência artificial para acelerar o diagnóstico de hanseníase
Hanseníase é uma das doenças mais antigas do mundo
1 de 3

Expectativa é eduzir em 70% os novos casos da infecção até 2030

Divulgação
2 de 3

Fiocruz e duas empresas criaram uma inteligência artificial para acelerar o diagnóstico de hanseníase

Foto: Divulgação
3 de 3

Hanseníase é uma das doenças mais antigas do mundo

iStock

“Nosso estudo prova que é possível chegar à suspeição do diagnóstico de hanseníase com um algoritmo de inteligência artificial. Essa ferramenta pode apoiar a decisão do médico de iniciar a investigação, acelerando a confirmação do diagnóstico e o início do tratamento, que é fundamental para interromper a transmissão da doença e prevenir sequelas”, afirma o chefe do Laboratório de Hanseníase do IOC, Milton Ozório Moraes.

Diagnóstico

O atraso no diagnóstico dificulta que a doença seja erradicada. A hanseníase provoca deformidades visíveis em muitas pessoas, além de perda de movimentos dos pés ou das mãos e problemas de visão.

O Brasil é o segundo país mais atingido pela hanseníase, com 27 mil casos detectados de 2019 para cá. Desses, 2,3 mil com danos avançados.

Covid-19 e a queda no diagnóstico

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a queda global de detecção da doença foi de 37% em 2020. Um levantamento feito pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) aponta que, no país, houve uma redução de 35% em 2020 e de 45% em 2021, quando comparado a 2019.

“A inteligência artificial pode enxergar mais do que o olho humano. Para o computador, cada ponto da imagem é um bit, traduzido em um número. Uma pessoa sem treinamento pode não perceber a diferença entre duas cores muito próximas, mas quando o computador transforma essas cores em números, ele ‘vê’ uma diferença clara. É com base nisso que podemos treinar a máquina para tentar fazer um diagnóstico diferencial”, diz o pesquisador Paulo Thiago Souza Santos.

Com o aprendizado de máquina, os pesquisadores pretendem alcançar metas estabelecidas pela OMS, como: reduzir em 70% os novos casos da infecção até 2030 e, no longo prazo, interromper a transmissão do agravo.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?