Exército barra nomeação de oficial ex-ajudante de ordens de Bolsonaro

A decisão foi tomada em reunião entre Tomás Paiva, comandante do Exército, e Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Bolsonaro

atualizado 24/01/2023 19:42

General Tomás Miguel Ribeiro Paiva, novo comandante do Exército - Metrópoles Vinícius Schmidt/Metrópoles

O novo comandante do Exército, Tomás Paiva, suspendeu a nomeação do tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), para chefiar o 1º Batalhão de Ações de Comando, o 1º BAC, em Goiânia.

A decisão foi tomada em reunião entre Paiva e Cid, nesta terça-feira (24/1). Não se sabe ainda qual cargo o ajudante de ordens de Bolsonaro deve assumir e se vai assumir alguma função de comando relevante.

Em nota, o Exército informou que Cid pediu o adiamento do comando, que foi acatado pelo general Tomás Paiva.

Conforme revelou a coluna Rodrigo Rangel, do Metrópoles, Cid é alvo de investigação no Supremo Tribunal Federal (STF) por suspeitas de uma espécie de caixa 2 no Palácio do Planalto.

A reportagem mostra que a Polícia Federal mapeou as transações financeiras do militar e encontrou indícios de irregularidades no uso do cartão corporativo, que incluía saques em dinheiro. Os recursos eram usados, inclusive, para pagar contas pessoais da ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro e de familiares dela.

Tomás Paiva assumiu o comando do Exército após o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) demitir o general Júlio César de Arruda. A gota d’água teria sido a recusa do então comandante em exonerar Cid do posto no 1º Batalhão de Ações e Comandos.

A unidade é considerada sensível e estratégica por ter, entre suas atribuições, a incumbência de realizar operações de emergência para debelar ameaças a Brasília e, em eventuais situações de guerra, cumprir missões delicadas contra alvos considerados difíceis.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
0

Mais lidas
Últimas notícias