“Escolhido por Deus”, Adélio mantém ideia de matar Bolsonaro e Temer

O homem está há um ano preso por esfaquear o presidente da República, à época em campanha eleitoral

ReproduçãoReprodução

atualizado 05/09/2019 11:13

Mesmo preso, Adélio Bispo de Oliveira, 41 anos, mantém fixa a ideia de matar o atual chefe do Executivo brasileiro, Jair Bolsonaro (PSL), e o ex-presidente Michel Temer (MDB), de acordo com informações do jornal Folha de S.Paulo. A constatação tem como base laudos psiquiátricos e documentos de processo judicial.

Adélio está há um ano preso por atacar Bolsonaro com uma faca durante ato de campanha eleitoral em Juiz de Fora (MG). Ele está no presídio federal de Campo Grande (MS) e se recusa a receber tratamento para controlar o transtorno delirante persistente, doença mental com a qual foi diagnosticada.

Ao longo de avaliações psiquiátricas nos últimos meses, Adélio demonstrou ter intenção de fazer novos ataques. Sobre Bolsonaro, afirmou que se sente na obrigação de concluir a missão para a qual foi “escolhido por Deus” para “salvar o Brasil”. Sobre Temer, garantiu que o mataria ao deixar a cadeia.

Nas alucinações, ele acredita que Bolsonaro e Temer fazem parte de um plano para entregar riquezas do país ao Fundo Monetário Internacional (FMI), à máfia italiana e aos maçons. O perfil do então candidato do Novo ao Planalto, João Amoedo, foi alvo de pesquisas na internet por parte de Adélio.

Últimas notícias