Profissionais da saúde de SP discutem greve e, em carta, pedem insumos

Sindicato de Médicos se reunirá nesta quinta para discutir paralisação. Profissionais denunciam falta de remédios e sobrecarga

atualizado 13/01/2022 17:40

Hospital de Campanha Pedro Dell'Antonia de Santo André - São PauloFábio Vieira/Metrópoles

São Paulo – Em uma carta aberta assinada por sete sindicatos da área da saúde de São Paulo, divulgada nesta quinta-feira (13/1), trabalhadores denunciam condições precárias de trabalho e falta de insumos nos postos de saúde. Além disso, cobram o pagamento de horas extras, uma melhor gestão de horários e contratação de mais profissionais.

O Sindicato dos Médicos de São Paulo (Simesp), um dos que assinam a carta, vai se reunir na noite desta quinta para definir estratégias para exigir os direitos da categoria. Há, inclusive, possibilidade de paralisação nas unidades municipais.

No documento, os sindicatos afirmam que os profissionais estão trabalhando, desde antes da pandemia da Covid-19, com “grande sobrecarga, o que só se deteriorou com a atual conjuntura”, e que a Prefeitura nunca ofereceu a contratação de profissionais extras para auxiliar na crise sanitária.

Na cidade de São Paulo, as Unidades Básicas de Saúde (UBSs), Assistência Médica Ambulatorial, Unidades de Pronto Atendimento e outros equipamentos são administrados pelas Organizações Sociais de Saúde (OSS).

Assinam a carta, além do Simesp, o Sindicato dos Psicólogos do Estado de São Paulo (SINPSI), o Sindicato dos Farmacêuticos do Estado de São Paulo (Sinfar), o Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde de São Paulo (SinSaudeSp), o Sindicato dos Nutricionistas do Estado de São Paulo (SINDINUTRI), o Sindicato dos Enfermeiros do Estado de São Paulo (SEESP) e o Sindicado dos Agentes Comunitário de Saúde do Estado de São Paulo (Sindicomunitário/SP).

0

A carta aberta à população e ao secretário municipal de Saúde, Edson Aparecido, elenca ainda problemas como a exaustão das equipes de enfermagem que são cobradas pela organização de fluxos de vacinação, preenchimentos de notificações dos casos atendidos, coletas de exames em pacientes com sintomas respiratórios e a cobrança para que médicos atendam “em um ritmo em que não conseguem prestar boa assistência aos seus pacientes devido à crescente demanda pelo serviço, cumprindo jornadas intermináveis de trabalho”.

Outras questões abordadas no documento são a falta de insumos mínimos, como medicamentos básicos para conduzir duas infecções coexistentes (Covid-19 e Influenza), como dipirona, ibuprofeno, salbutamol, diclofenaco, loratadina e antibióticos, além de equipamentos como lençol para maca, oxigênio, luvas e testes de gravidez.

Uma das queixas é que, apesar de jornadas extensas, não há pagamento de horas extras aos profissionais, e que o desfalque nas equipes quando ocorre contaminação dos médicos, enfermeiros e outros trabalhadores “inviabiliza o uso das horas acumuladas em banco de horas para folgas de profissionais já colapsados”.

Os sindicatos ainda reclamam da falta de organização do fluxo das unidades de saúde quando estas abrem aos fins de semana e feriados: os trabalhadores afirmam que são convocados em cima da hora, e não recebem nenhum adicional.

Diante das queixas, os sindicatos pedem que o comparecimento dos profissionais de saúde nas UBS nos dias de sábado e feriados não seja obrigatório, e, caso os profissionais aceitem, recebam pagamento de hora extra com adicional de 100% e, se não houver equipe suficiente, que sejam contratados profissionais plantonistas.

Outro pedido é que a Prefeitura e as OSS paguem horas extras aos trabalhadores que têm banco de horas, e que reponham urgentemente insumos e medicamentos essenciais para o atendimento de sintomas respiratórios e para manutenção de medidas higiênicas dentro dos serviços de saúde.

Secretaria responde

Em nota enviada ao Metrópoles, a Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), informou que respondeu aos dois ofícios enviados pelo Simesp à pasta, e que desde janeiro de 2021, foi autorizada a contratação pelos parceiros de equipes de enfermagem e administrativos para auxiliarem na vacinação.

“No atual momento, devido a variante Ômicron, são muitos casos em um curto período de tempo, promovendo aumento nos atendimentos nas unidades e, por isso, a integração dos serviços em rede assistencial se fez necessário”, afirmou a Secretaria.

Veja a íntegra da nota:

“Até o momento, a abertura das unidades aos sábados se dava exclusivamente par auxiliar na vacinação da população e, quando ocorria, se passava em abertura de novos públicos elegíveis. Desde o último sábado, 8 de janeiro, as unidades passaram a abrir todos os sábados até a diminuição dos casos de sintomáticos respiratórios na capital. A SMS já autorizou o pagamento das horas extras dos profissionais pelas Organizações Sociais de Saúde (OSS).

Todos os parceiros também já receberam autorização para contratação de médicos e equipes de enfermagem par atender a esse aumento de demanda nas unidades de atenção básica, Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e Assistência Médica Ambulatorial (AMA) à critério da Coordenadoria Regional de Saúde (CRS). A SMS ressalta que solicitou a presença dos médicos nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs) aos sábados, entretanto, em nenhum momento obrigou que as equipes sejam da Atenção Primária à Saúde (APS).

Em relação ao pagamento de horas extras, a SMS aguardava o novo ano fiscal para saldar o pagamento aos profissionais de saúde envolvidos diretamente ao atendimento à pandemia de Covid-19. Aos profissionais ligados às OSS, os parceiros iniciarão o cronograma de pagamento de horas extras a partir deste mês e, àqueles da administração direta, que iniciam a partir desta fase da pandemia o atendimento aos sábados, a SMS estará publicando portaria e pagamento de plantão extra.

Até a próxima sexta-feira (14), a SMS juntamente com os parceiros estará fechando o montante de contratação para apoiar a porta de entrada dos equipamentos, inclusive, ampliando o quadro e horário de algumas unidades para às 22h ou, até mesmo, transformando unidades 12h em 24h.”

Mais lidas
Últimas notícias