TSE manda Eduardo Bolsonaro apagar post sobre Lula apoiar invasão a igrejas

Decisão determina que deputado seja multado em R$ 50 mil diariamente caso poste novo conteúdo falso nas redes

atualizado 05/09/2022 19:13

Paulo Sergio/Agência Câmara

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) determinou, nesta segunda-feira (5/9), que o deputado Eduardo Bolsonaro (PL) apague de suas redes sociais em até 24 horas publicações em que o político acusa o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o PT de apoiarem invasões de igrejas e perseguição a cristãos.

A decisão, assinada pela ministra Cármen Lúcia, ainda estipula uma multa diária de R$ 50 mil caso o deputado faça novas postagens com conteúdo falso.

“O que se tem é mensagem ofensiva à honra e imagem de pré-candidato à presidência da República, com divulgação de informação sabidamente inverídica”, diz a decisão.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
Publicidade do parceiro Metrópoles 4
0

A ação foi movida pela Coligação Brasil da Esperança, que tem o ex-presidente Lula como candidato, contra Eduardo Bolsonaro. Segundo a coligação, houve prática de propaganda eleitoral irregular negativa e veiculação de desinformação na internet.

Presidente, governador, senador e deputado: veja quem são os candidatos nas Eleições 2022

“Lula nunca fechou nem vai fechar igrejas. O ex-presidente sempre respeitou todas as religiões e acredita que a liberdade religiosa é fundamental para a democracia, assim como sabe que a liberdade de crença e culto é um direito assegurado a todos os brasileiros”, afirma a defesa de Lula.

Mais lidas
Últimas notícias