*
 

Terceiro sabatinado na manhã desta quarta-feira (4/7), em evento da Confederação Nacional da Indústria (CNI), o pré-candidato à Presidência da República pelo PSL, Jair Bolsonaro, explicou a empresários de todo o país como quer montar um eventual governo e admitiu não entender muito de alguns assuntos como economia e educação. Nestes casos, ele disse estar aberto a sugestões. A jornalistas, ele disse acreditar que pode ser eleito ainda no primeiro turno.

Sobre a formação ministerial, o deputado afirmou que colocaria militares para comandar algumas pastas e provocou seus críticos. “Vamos fundir os ministérios da Agricultura e do Meio Ambiente. Além disso, qual o problema de colocar militares em ministérios? Os anteriores colocavam terroristas e corruptos e ninguém falava nada”, afirmou.

Questionado sobre quais ministérios poderiam ter militares no comando, Bolsonaro citou alguns exemplos. “Temer parece que me ouviu e colocou um general lá na Defesa. Penso no Transporte que é um grande foco de corrupção, não quero dizer que militar é incorruptível, mas é mais difícil. Ciência e Tecnologia também. Para nós, missão dada é missão cumprida, quando o país está em crise são os militares que chamam. Vai bater no máximo 15 ministérios, mas não vou adiantar nomes agora”.

Sem citar o presidente Michel Temer, o pré-candidato disse que, se estivesse no Palácio do Planalto, a crise dos caminhoneiros, que aconteceu no final de maio, não teria tomado proporções tão grandes porque ele teria um setor de inteligência “para antecipar uma coisa dessa”.

Sobre as alianças que está construindo em torno de sua candidatura, Bolsonaro afirmou poder dizer que tem o apoio “de no mínimo 20 deputados do MDB que divulgam meu nome, uns 15 do DEM, uns do PR”.

última pesquisa de intenção de voto encomendada pela CNI ao Ibope, divulgada em 28 de junho, Bolsonaro lidera a corrida eleitoral em um cenário sem a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Neste caso, ele registra 17% das intenções de voto. Se Lula disputar, Bolsonaro fica em 2º, com 15%. Leia mais sobre a pesquisa aqui.

Tentando agradar os investidores que estavam acompanhando sua fala, Bolsonaro disse ainda que “jamais quer ser patrão com um país com essa legislação”. “Não sou contra patrão, muito menos contra empregado, nós temos que buscar o meio termo”.

O pré-candidato afirmou também não entender de economia e que precisaria aprender com os empresários ali presentes. “Quando eu falei que eu não entendia de economia me julgaram, mas quem colocou o Brasil nessa caótica crise econômica foram os economistas. Um presidente não vai entrar em campo, ele tem que ter a humildade e a força para buscar soluções”.

Pontos polêmicos
Questionado por um empresário sobre como melhorará a educação do país caso seja eleito, Bolsonaro prometeu mudar o currículo escolar. “Do jeito que está aí, a intenção é doutrinar os nossos filhos a partir dos 4 anos de idade. Nada contra quem é feliz aí com seu parceiro aí, quem sabe um dia eu seja, vai saber, mas não dá. E já adianto que sou contra cotas, somos todos iguais”, destacou.

Atacado a respeito de seu discurso extremista, o pré-candidato disse contar com o apoio de quem precisa. “Se continuar do jeito que está, todos nós seremos como a Venezuela e compartilharemos a mesma miséria. Eu tenho apoio de diversos partidos mas não vou conversar com alguns partidos porque eu não quero colocar um busto do Che Guevara no Palácio do Planalto. Se eu conseguir buscar uma forma de levar energia para Roraima, por exemplo, será que uns deputados de lá não vão nos apoiar?”, disse.

Em entrevista a jornalistas, Bolsonaro se comparou com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e disse que “todo mundo vem gostando” dele. Sem se posicionar claramente sobre a questão da imigração, o deputado questionou apenas: “você não permite que qualquer um entre na sua casa, por que tem que entrar em outro país?”

O pré-candidato reclamou também que “estamos perdendo a possibilidade de fazer piada nesse Brasil” e prometeu que, se eleito, irá acabar com o “politicamente correto”. “Tão tirando nossa alegria de viver. Alegria de brincar com gaúcho, com baiano, contar piada de goiano. Quando eu era do quartel tinha lá a pelada dos brancos com os afrodescendentes e ninguém falava nada. Vamos acabar com essa historia de que a criança pode escolher de quem ela vai gostar. Vamos acabar com essa historia de politicamente correto”, disse.