*
 

A matemática é considerada a parte mais delicada da prova de exatas por grande parte dos candidatos ao Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2018. As questões cobradas podem exigir cálculos – dos mais simples aos complexos – e isso interfere diretamente no tempo gasto na hora do teste. Para os candidatos se prepararem nessa reta final e se sentirem mais confiantes para fazer a avaliação no próximo domingo (11/11), o Metrópoles reuniu dicas dos professores que lecionam a disciplina no colégio Sigma, Paulo Luiz e Gabriel Carvalho. A primeira delas é: criar meios de resolver contas sem calculadora.

“Um dos principais problemas [para o participante] no Enem é o tempo gasto em contas. Visto que nós, no dia a dia, usamos calculadora. Isso prejudica muito o tempo gasto na hora da prova. No mesmo dia, tem [questionamentos de] física, química, biologia e matemática. São matérias que envolvem muito cálculo. Então, uma coisa essencial nessa reta final é trabalhar com conta sem calculadora, para você criar métodos para acelerar o processo de resolver esses cálculos”, explica Paulo Luiz.

A recomendação feita pelo especialista pode ajudar no momento de solucionar aquelas perguntas recorrentes no Enem. De acordo com Paulo, “são cobradas principalmente matérias da primeira série do ensino médio, como porcentagem, proporcionalidade e geometria [seja plana ou espacial]”, destacou. “Então, a maior parte do foco da prova se encontra nesses conteúdos”, avisa.

Confira dicas de matemática para se preparar para a prova do Enem:

Fórmula da aprovação
O professor Gabriel Carvalho lembra aos participantes que é muito importante estar apto a responder e acertar perguntas simples e complexas para conseguir uma boa pontuação no exame. “A prova vai ser corrigida pela metodologia da Teoria de Resposta ao Item (TRI). É muito importante para o aluno, dentro de um mesmo conteúdo, que ele consiga acertar as questões fáceis, médias e difíceis. Assim, ele vai conseguir a maior pontuação possível”, enfatizou.

Diante disso, na avaliação do especialista, nesses último dias antes da aplicação do exame, é interessante para o inscrito reforçar as matérias já dominadas para garantir uma nota satisfatória. “Pegue um determinado tema, gaste meia hora ou 40 minutos para dar aquela revisada teórica e o resto você faz em cima de questões de provas dos últimos anos”, ressaltou. “Por exemplo, ao revisar logaritmo, dê uma revisada básica no tema, lembre-se de como é o gráfico, a equação, a propriedade e depois resolva questionamentos para completar essa revisão”, ensina.

Carvalho também alerta os participantes sobre os “conselhos mirabolantes” que surgem dias antes da prova. “Outra coisa muito importante! Nessa reta final, aparecem muitas pessoas com técnicas prontas e tudo mais. Tome cuidado para não cair nesse tipo de armadilha. É fundamental se conhecer nessa etapa e fazer o melhor para você. Há pessoas que estudam até cinco horas contínuas, com rendimento máximo. Outros precisam estudar durante 30 ou 40 minutos, com uma pequena pausa”, afirmou ao salientar que o “volume de estudo de uma pessoa é uma algo muito pessoal”.