metropoles.com

Haddad sobre reforma tributária: “Ou faz ou o Brasil não vai crescer”

Fernando Haddad alega que sem reforma tributária a economia brasileira não vai crescer e o país não será “competitivo”

atualizado

Compartilhar notícia

Diogo Zacarias / redes sociais
Fernando Haddad e Luiz Marinho / Metrópoles
1 de 1 Fernando Haddad e Luiz Marinho / Metrópoles - Foto: Diogo Zacarias / redes sociais

Fernando Haddad, ministro da Fazenda, reiterou, nesta quinta-feira (16/3), a importância do andamento da reforma tributária para o crescimento da economia. Na quarta-feira (13/3), ele esteve com Luiz Marinho, ministro do Trabalho e Emprego, para discutir a questão.

“Não podemos continuar crescendo apenas 1% ao ano. Este país não merece isso. Ou a gente faz uma reforma [tributária] que torna o Brasil competitivo ou o Brasil não vai crescer”, escreveu o ministro da Fazenda em suas redes sociais.

Em 2022, o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 2,9% em 2022, conforme os dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no início de março. Entretanto, a economia brasileira desacelerou no quarto trimestre do ano passado, um recuo de 0,2% em relação aos três meses imediatamente anteriores.

O resultado do quatro trimestre foi apontado como um reflexo da desaceleração da atividade econômica brasileira.

Reforma em pauta 

Haddad vem fazendo reuniões regulares com deputados e senadores para fazer a reforma caminhar no Congresso Nacional. Na quarta-feira (16/3), a Frente Parlamentar do Empreendedorismo (FPE) esteve no Ministério da Fazenda para tratar do tema. 

Deputado federal e presidente da FPE, Marco Bertaiolli (PSD-SP), explicou a jornalistas que o compromisso do governo é de não aumentar ainda mais os impostos. “Qual foi o compromisso do ministro [Haddad]? A carga tributária atual não seria aumentada, mas a perspectiva seria de regresso com a reforma”, disse.

Há discussões ainda sobre a desoneração total da folha de pagamento e as alíquotas  do Simples Nacional – programa voltado para micro, pequenas e médias empresas. De acordo com ele, ficou claro no encontro que o Simples não será alterado na reforma tributária.

Cinco impostos por “um ou dois”

Bernard Appy, secretário extraordinário de Reforma Tributária do Ministério da Fazenda, explicou que a base da reforma que está em discussão no parlamento brasileiro é a substituição de “cinco tributos por um ou dois impostos”.

No exemplo dado por Appy, o Imposto sobre Valor Agregado (IVA), de forma única ou dupla, substituíra o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), Programa de Integração Social (PIS) e a Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (Cofins), Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e o Imposto Sobre Serviços (ISS).

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?