Focus: mercado mantém expectativa de queda da inflação e alta do PIB

A nova projeção para a inflação em 2022 é de 5,64%. Os dados são do Banco Central e foram divulgados nesta segunda (17)

atualizado 17/10/2022 9:23

Daniel Ferreira/Metrópoles

O Boletim Focus desta segunda-feira (17/10) manteve, pela 16ª vez, a estimativa de queda para a inflação em 2022: de 5,71% há uma semana para 5,64%. A projeção consta no relatório elaborado pelo Banco Central (BC), que ouve semanalmente agentes financeiros e colhe impressões sobre os principais indicadores econômicos.

A previsão da inflação oficial do país em 2023 caiu 0,3 ponto percentual, indo de 5% para 4,97% e, para 2024, foi de 3,47% para 3,43%, com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos.

O Focus também avalia as contínuas quedas no Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação oficial. Na última divulgação, em (11/10), houve recuo de 0,29% em setembro, sendo o terceiro mês de deflação.

De acordo com o índice, a inflação acumulada no ano é de 4,09% e, nos últimos 12 meses, de 7,17%.

A inflação gera impacto no bolso da população. Quanto maior o índice, menor o poder de compra dos brasileiros.

PIB, dólar e Selic

A projeção para o Produto Interno Bruto (PIB) – soma das riquezas produzidas pelo país – de 2022 subiu 0,1 ponto percentual, indo de 2,70% para 2,71% nesta semana. Em relação a 2023, a previsão saiu de 0,54% para 0,59%.

O Focus manteve as expectativas de crescimento da economia para o ano de 2024 em 1,70%. Em 2025, também houve a manutenção em 2%.

O mercado espera que a moeda norte-americana fique cotada a R$ 5,20 tanto neste ano quanto no próximo, as mesmas projeções há semanas. A moeda deverá oscilar entre 2024 e 2025, cotada entre R$ 5,10 e 5,15, respectivamente.

Sobre a taxa básica de juros, a previsão é que a Selic se mantenha em 13,75%, atual taxa estipulada pelo Comitê de Política Monetária (Copom).

Os juros devem ser reduzidos em 2024, para 11,25%, e permanecer em ritmo de queda em 2024 (8%) e 2025 (7,75%).

Mais lidas
Últimas notícias