Doria diz que pediu ao embaixador da China empenho na liberação de IFA

O governador ressalta que a imunização em todo Brasil poderá ser interrompida se insumos não chegarem

atualizado 12/05/2021 13:47

Governador João Doria em entrega de novo lote da Coronavac Fábio Vieira/Metrópoles

São Paulo – O governador de São Paulo, João Doria, afirmou nesta quarta-feira (12/5) que pediu ao embaixador da China do Brasil, Yang Wanming, empenho na liberação de insumos para produção da Coronavac.

Segundo o governador, o embaixador disse que “vai falar amanhã com a chancelaria [chinesa] renovando apelo para que haja liberação dos insumos”.

Há 10 mil litros de Insumo Farmacêutico Ativo (IFA) prontos para serem despachados ao Brasil pelo laboratório Sinovac, mas o governado chinês ainda não autorizou a operação. Para Doria, o atraso no envio da matéria-prima se deve aos ataques do governo brasileiro à China.

Recentemente, o presidente Jair Bolsonaro sugeriu que o vírus foi criado pela China em laboratório. Dias antes, o ministro Paulo Guedes, da Economia, fez a mesma sugestão. Para Doria, o governo brasileiro deve um pedido de desculpa à China pelo ataques.

O governador destacou a preocupação com a escassez do insumo. Ele argumenta que, se o IFA não chegar, a imunização em todo Brasil poderá ser interrompida, “já que 70% da vacinação no país depende da Coronavac”.

Desde quinta-feira (6/5), o envase de novas doses está parado porque o IFA acabou. Há ainda algumas vacinas no Butantan para serem entregues ao Ministério da Saúde na sexta-feira (14/5). Essas unidades estão na fase final de produção.

 

Mais lidas
Últimas notícias