Militares da Venezuela estão roubando pessoas do lado brasileiro da divisa entre os dois países. De acordo com reportagem do jornal Folha de S. Paulo, após o fechamento das fronteiras, decretada pelo presidente venezuelano Nicolás Maduro na última sexta-feira (22/2), trilhas entre os países se transformaram em palco de violência.

É por esses caminhos, teoricamente ilegais, que ocorrem os roubos. A primeira etapa, na região onde estão os postos aduaneiros, que foram palco de dois conflitos entre manifestantes e militares venezuelanos nos últimos dias, seria o mais perigoso de todos.

A trilha, que fica no lado brasileiro, é marcada por bases de concreto pintadas de branco. Na caminhada, segundo a reportagem, venezuelanos que chegavam ao Brasil informavam que os militares do regime de Nicolás Maduro estavam atacando migrantes do lado brasileiro.

Na sequência, a equipe de reportagem do jornal foi perseguida pelos supostos militares. Dois soldados venezuelanos começaram a correr para tentar alcançar o grupo, que incluía um casal formado por uma venezuelana e um paulista. Eles estavam acompanhados por um carregador que, a duras penas, tentava puxar um carrinho com duas malas pelo lavrado (savana), a vegetação típica da região.

A reportagem informou que, por causa da bagagem, o carregador e um dos membros do grupo ficaram para trás e foram alcançados pelos militares venezuelanos. Mesmo estando do lado brasileiro, ficaram sob a mira de fuzis do exército de Caracas e foram obrigados a entregar as duas malas no lado venezuelano.

“Os caras saíram do monte, engatilharam a arma e disseram: ‘Para, para, para, eu também sou malandro’. O cara do carrinho me pediu dinheiro, largou o carrinho, e saiu correndo”, contou o membro do grupo, identificado como Anderson de Moraes, morador de São Paulo.