Dia do enfermeiro: profissionais contam desafios na pior fase da Covid

Após dois anos de pandemia, enfermeiros dividem aprendizados e lições adquiridas no enfrentamento ao coronavírus

atualizado 11/05/2022 18:23

iStock

A pandemia de Covid-19 afetou o mundo inteiro e trouxe uma gama de mudanças na rotina do brasileiro: impossibilidade de circular, alteração na forma de trabalhar, aprender e ensinar, imposições totalmente novas como o uso de máscara e o distanciamento social. Depois de dois anos no enfretamento ao vírus, “ninguém saiu ileso”.

No entanto, a parte mais difícil da luta ficou a cargo de médicos, enfermeiros e outros trabalhadores da área. No Dia do Enfermeiro, neste 12 de maio, profissionais que trabalham no Hospital MedSênior contam lições e aprendizados que adquiriram no combate ao coronavírus.

Quando a dor profissional se mistura com a pessoal

Trabalhando na unidade de terapia intensiva (UTI) para pessoas idosas, já seria um desafio lidar com dificuldades, tristeza e desafios do cotidiano e, em alguns casos, da despedida da vida. No entanto, a situação ficou ainda mais dramática para a enfermeira Rachel Eça de Souza, 33 anos, que viu a dor de perder um paciente se misturar com a dor pessoal.

“No caso da Covid-19, estávamos cuidando do público mais vulnerável para a doença. Trabalhamos incansavelmente para manter os pacientes vivos”, contou a profissional. Rachel narra que uma senhora teve Covid e, após estar curada, precisou ser tratada de problemas cardíacos originados pela doença.

“Ela já tinha ficado internada durante a doença e a família era muito atenciosa e criamos laços muito fortes. Infelizmente, ela veio a óbito”, lembra. A enfermeira acompanhou a equipe que foi dar a notícia à família e, quando entrou na sala, se deparou com uma amiga, neta da paciente.

“Me vi no lugar dela. Moro com meus pais e minha avó, que morava com a gente. Ela faleceu com o mesmo problema dessa paciente. Então, de repente, vi minha amiga perdendo a avó, sabendo exatamente o que ela estava sentindo. Foi um plantão que partiu meu coração. Vivi o luto dela e de toda a família”, relembra a profissional.

A importância da escuta para a recuperação do paciente

Para o enfermeiro Leandro de Oliveira Silva, 31 anos, o que fica do combate à Covid-19 é a importância da escuta para a plena recuperação do paciente. Segundo explica o profissional, para além da parte técnica, como ajudar o enfermo a ir ao banheiro ou nos procedimentos de rotina, é preciso humanizá-lo.

“Sou muito grato em poder ouvir os pacientes e aproveitar essa experiência de vida para evoluir como ser humano. Na entrada do pronto-socorro, por exemplo, durante a triagem, já atendi idosos que ficaram mais calmos e tiveram melhoras em sintomas relacionados ou agravados pela ansiedade pelo simples fato de terem sido acolhidos nessa chegada ao hospital”, argumenta Leandro.

homem com roupa branca
Leandro destaca a importância da escuta para a plena recuperação do paciente

Outras doenças não esperam a pandemia acabar

Como enfermeira dedicada à assistência de pacientes oncológicos, Grazielle Pereira Meira Bosato, 40 anos, não pôde respeitar o isolamento social, porque o câncer que afetava pacientes também não esperou. A profissional precisou lidar diariamente com o medo dos pacientes, que apesar de já enfrentarem uma doença complicada, também se preocupavam com o coronavírus.

“Enfrentar junto com o paciente e com a família as angústias, o medo e a dor, e tentar ser uma semente de esperança e um olhar cuidadoso faz com que mesmo a pior dor, que é a perda de um paciente, nos conforte porque fizemos o melhor”, afirma Grazielle.

0

.

Mais lidas
Últimas notícias