Deputada bolsonarista chama de “mimimi” distribuição de absorventes

A parlamentar diz que tem um projeto para criar um fundo nacional para a compra de absorventes que seria abastecido por quem defende a causa

atualizado 10/10/2021 17:13

Reprodução/Twitter

A deputada federal Alê Silva (PSL-MG) usou as redes sociais, nesse sábado (9/10), para chamar de “mimimi” a atitude de quem criticou a ação do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), em vetar o projeto que previa a distribuição gratuita de absorventes íntimos para mulheres em vulnerabilidade.

“Sou do tempo em que usávamos paninhos, que a cada mês eram lavados e passados para serem novamente usados. Não tinha mi, mi, mi, aínn o governo tem que me dar, escreveu a deputada no Twitter.

Veja:

Já neste domingo (10/10), Alê Silva (PSL-MG) frisou que tem um projeto para criar um fundo nacional para a compra de absorventes que seria abastecido por quem defende a causa.

O veto do presidente foi publicado no Diário Oficial da União (DOU) da última quinta-feira. O Senado havia aprovado a criação do programa voltado à promoção de saúde menstrual em 15 de setembro.

E o PT?

Bolsonaro explicou que tema contraria o interesse público, “uma vez que não há compatibilidade com a autonomia das redes e estabelecimentos de ensino. Ademais, não indica a fonte de custeio ou medida compensatória”.

Mais tarde, em conversa com apoiadores, Bolsonaro afirmou: “É irresponsabilidade apresentar um projeto sem apontar a fonte de custeio. Isso é feito proposital, para desgastar. Por que o PT não fez isso quando estava no poder?”.

Últimas notícias