Covid: empresas estendem suspensão de cruzeiros até 4 de fevereiro

A decisão prevê a ampliação do prazo anterior para mitigar riscos de contaminação por Covid. Temporada ainda pode ser cancelada

atualizado 13/01/2022 16:52

Navio Navio da MSC Cruzeiros Preziosa que está parado no porto do Rio de Janeiro em quarentena por surto de COVID 13Aline Massuca/Metrópoles

A Associação Brasileira de Navios de Cruzeiros (Clia Brasil) anunciou nesta quinta-feira (13/1) a prorrogação da suspensão voluntária da operações de transatlânticos de turismo nos portos brasileiros. Antes, a Clia tinha a previsão de manter os serviços fechados até 21 de janeiro de 2022. O novo prazo, divulgado em nota pública, é 4 de fevereiro.

A decisão de manter os serviços suspensos tem como objetivo, segundo a Clia, dar continuidade às discussões com as autoridades de saúde a fim de alinhar medidas de prevenção à Covid antes da retomada.  Veja nota íntegra:

Posicionamento CLIA Brasil by Manoela Alcantara on Scribd

O alinhamento é buscado com as autoridades do governo federal, incluindo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), sobre protocolos sanitários para mitigar os riscos de contágio por Covid-19 nas embarcações.

A Anvisa pedirá ao governo o cancelamento de todo o restantes da temporada, em razão do crescimento veritiginoso de casos da doença nos navios, segundo antecipou o colunista do Metrópoles Guilherme Amado.

Impacto financeiro

De acordo com a Clia, a temporada atual, que começou em novembro de 2021, tinha previsão de movimentar mais de 360 mil turistas, com impacto de R$ 1,7 bilhão, além da geração de 24 mil empregos, envolvendo uma cadeia extensa de setores da economia, entre eles comércio, alimentação, transportes, hospedagem, serviços turísticos, agenciamento, receptivos e combustíveis.

Estima-se, conforme estudo da CLIA Brasil em parceria com a FGV, que cada navio gera em torno de R$ 350 milhões de impacto para a economia brasileira. A cada 13 cruzeiristas, um emprego é gerado.

Mais lidas
Últimas notícias