Covid-19: Nordeste é 2ª com mais mortes e tem leitos de UTI em 7% da região

Os estados do Piauí e Sergipe não possuem a estrutura hospitalar em 96,8% e 96% de seus municípios, respectivamente

atualizado 13/06/2020 22:59

Leitos-UTI-BaseDivulgação/GDF

O novo coronavírus já fez 37.134 vítimas no Brasil, conforme dados atualizados dessa segunda-feira (08/06), e a região do país com mais estados, o Nordeste, é a segunda com mais morte durante a pandemia. De acordo com a última atualização completa do Ministério da Saúde, no dia 4 de junho, a região somava 10.311 vidas perdidas pela Covid-19 e isso pode estar ligado diretamente à falta de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) no território nordestino.

Apenas 7,3% dos municípios do Nordeste contam com a estrutura hospitalar, de acordo com o levantamento feito pelo Metrópoles por meio do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNESNet), do Ministério da Saúde. Os estados que possuem menor cobertura de leitos de UTI são os do Piauí e Sergipe, respectivamente, 96,8% e 96% dos municípios ali não ostentam o tratamento em seu sistema de saúde. No entanto, mesmo assim, entre os nove estados nordestinos, eles são os que acumulam menos óbitos. São 202 no Piauí e 186 em Sergipe.

Já o Ceará, que é o segundo com maior cobertura (10,9%), ficando atrás somente de Pernambuco (13%), é o que soma mais mortes durante a pandemia (3.813) — logo atrás está o estado pernambucano, com 3.134. Confira o gráfico de casos e mortes nos estados da região até o dia 4 de junho e note a diferença entre cada um:

O médico infectologista, mestre em saúde pública e professor das faculdade de medicina da Universidade Federal do Ceará e Unichristus, Guilherme Henn, compara o que ocorreu no estado a “uma ressaca do mar”. “O estado e a prefeitura de Fortaleza se prepararam de maneira razoavelmente boa para essa pandemia. Eles conseguiram abrir uma quantidade de leitos, tanto de enfermaria como de UTI, bastante grande, mas é óbvio que a gente acaba esbarrando numa enxurrada de pacientes graves com a Covid-19. Quando a gente atingiu o nosso pico de casos, no mês passado, a gente não conseguiu dar conta da quantidade enorme de pacientes que estavam chegando”, relatou.

“É como ter uma ressaca do mar numa cidade litorânea. São montadas umas barreiras com sacos de areia, mas ao invés da maré alta, vem um tsunami. Por mais que tenha havido a tentativa de se preparar, aquilo não foi suficiente”, analisa.

Henn comemora que o pior tenha passado, mas teme o que ainda está por vir. “Agora, a gente está conseguindo dar conta dos pacientes graves, mas a gente vai esbarrar em outro problema. Na medida que a gente está saindo do pico de casos na capital, a doença está em ampla expansão pelo interior do estado e lá a estrutura de saúde é muito precária, tanto de serviços de emergência, como com a quase inexistência de leitos de UTI.”

De acordo com o boletim epidemiológico mais recente — de 2 de junho — divulgado pela Secretaria de Saúde do Ceará, o estado possui uma taxa de 93% de ocupação dos leitos de UTI, que estão em apenas 20 dos 184 municípios cearenses. Já a Secretaria de Saúde de Pernambuco informa que 96% dos leitos destinados para pacientes da Covid-19 estão ocupados, e o estado dispõe dessa estrutura em 24 das suas 185 cidades.

Além disso, a pasta pernambucana informou que “o Governo do estado não tem medido esforços para ampliar a rede de enfrentamento à Covid-19. Com um cronograma permanente de abertura de leitos, já foram criados, pela gestão estadual, 1.499 vagas exclusivas para a doença, sendo 672 leitos de UTI — todos ativos, em todo o território pernambucano. Para se ter uma ideia, no dia 16 de maio, eram 1.228 leitos, sendo 557 de UTI, ratificando o empenho do Estado em ampliar constantemente a assistência à população.”

Maranhão

O estado do Maranhão possui uma cobertura de leitos de UTI em 20 dos seus 197 municípios, que corresponde a 9,22%. O boletim epidemiológico desse domingo (07/06) informa que na Grande Ilha a ocupação desta estrutura de tratamento é de 91,25%; em Imperatriz é de 87,04% e nas demais regiões é de 73,76%.

“A Secretaria de Estado de Saúde comunica que, neste mês de junho, serão abertos novos hospitais com Unidade de Terapia Intensiva nas cidades de Pedreiras, Lago da Pedra, Santa Luzia do Paruá e Viana”, informou a pasta maranhense.

Alagoas

Entre os 102 municípios alagoanos, apenas sete possuem leitos de UTI, o que corresponde a 6,87%. Quanto a ocupação desses leitos, a taxa é de 76% e 42% nos de UTI intermediária, segundo boletim dessa segunda-feira (08/06). A Secretaria de Estado de Saúde de Alagoas informou que a intenção é que haja cada vez mais unidades. “O estado de Alagoas enfrenta a pandemia com o aumento do número de leitos na rede pública e por meio de contratualização da rede privada. Nos últimos dois meses, o governo inaugurou 1.021 leitos exclusivos para a Covid-19 em diversas unidades hospitalares.”

A pasta também constou que para combater o novo coronavírus, “o governo do estado segue com a prorrogação de decretos de isolamento social, restrição de funcionamento do comércio e a buscar novos meios de ampliar o atendimento para a população com o objetivo principal de salvar vidas”.

Bahia

O estado composto pelo maior número de municípios do Nordeste conta com a estrutura de terapia intensiva em 28 das suas 417 cidades, o correspondente a 6,72% do território baiano. O boletim atualizado também nessa segunda informa que 69% dos leitos de UTI estão ocupados. A Secretaria de Estado de Saúde declarou: “Estamos progressivamente abrindo novos leitos na medida que haja demanda. Até o momento, o quantitativo de leitos é suficiente.”

Paraíba

Entre os 223 municípios que compõem o estado da Paraíba, apenas 11 estão equipados com leitos de UTI, o que equivale a 5%. Segundo atualizações do último domingo (07/06), constam que 69% estão ocupados por pacientes com a Covid-19. A Secretaria de Estado de Saúde esclareceu que “desde janeiro o governo do estado aprovou um sólido plano de contingenciamento para a pandemia. Dentro do planejamento está a implantação de leitos de forma gradativa, para atender às necessidades referentes à Covid-19.”

Rio Grande do Norte

Apenas 4,88% do Rio Grande do Norte, ou seja 11 dos 167 municípios, possuem leitos de UTI e a atualização mais recente de ocupação registra uma taxa de 75,8%. A Secretaria de Estado de Saúde (Sesap) informou que o estado “tem seguido uma programação de abertura de leitos previstos no plano de contingencia, construído pela Sesap. Até o momento já foram abertos mais de 200 leitos críticos.”

De acordo com a pasta, “o governo tem buscado, por meios dos decretos publicados, aumentar o isolamento social.”

Piauí e Sergipe

Piauí e Sergipe são os que possuem a menor cobertura de leitos de UTI no Nordeste. Respectivamente, 3,2% e 4%. Com a estrutura em apenas sete de seus 224 municípios, o Piauí tem 61,2% de taxa de ocupação, de acordo com atualizações dessa segunda. Enquanto o Sergipe, que tem em somente três de seus 75 municípios com leitos, apresenta 61,9% de ocupação no SUS e 91,3% na rede privada de saúde, conforme atualizações do último domingo (07/06).

As secretarias desses dois estados não responderam à reportagem até a publicação desta matéria. O espaço continua aberto.

Isolar para combater

Segundo a atualização mais recente do Ministério da Saúde quanto aos óbitos novos — divulgada no dia 8 de junho —, a região Nordeste foi a que mais registrou mortes pela Covid-19 no Brasil. Foram 353 contra 160 do Sudeste, 147 do Norte, 8 do Centro-Oeste e 11 do Sul. Para que a pandemia possa ser controlada, o especialista Guilherme Henn reforça a importância das medidas de prevenção de contágio. “É preciso orientar a população a cumprir as medidas de distanciamento social dos locais onde a doença está se espalhando. Isso é super importante para o controle da doença, da disseminação do vírus, da mesma forma que foi importante para Fortaleza”, lembrou.

A capital cearense adotou o lockdown em 8 de maio e, recentemente, como foi noticiado, a cidade conseguiu achatar a curva de óbitos.

Últimas notícias