Conselho pede a abertura de processo de cassação de Jairinho na Câmara

Por unanimidade, os sete membros do Conselho de Ética do parlamento pediram para que seja iniciado o processo de cassação contra o vereador

atualizado 26/04/2021 18:08

Conselho de Ética da Câmara dos Vereadores do Rio em reunião para decidir sobre cassação de JairinhoDivulgação Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro

Rio de Janeiro – Os sete membros do Conselho de Ética da Câmara dos Vereadores decidiram por unanimidade representar pela abertura do processo de cassação na Casa do médico e vereador Jairo Souza Santos Junior, o Dr. Jairinho (sem partido). Em entrevista ao Metrópoles na sexta-feira (23/4), o presidente Alexandre Isquierdo (DEM) antecipou o placar da votação.

É a primeira vez na história do parlamento carioca que o procedimento é instaurado. Padrasto de Henry Borel, de 4 anos,  Jairinho e a mãe Monique Medeiros estão presos sob suspeita de envolvimento na morte do menino, no dia 8 de março.

A reunião começou às 15h15, desta segunda-feira (26/4). O Conselho é formado pelos vereadores Alexandre Isquierdo (presidente), Rosa Fernandes, vice-presidente, (PSC), Dr. Rogério Amorim (PSL), Chico Alencar (Psol), Zico Papera (Republicanos), Teresa Bergher (Cidadania) e Luiz Ramos Filho (PMN). Completam o grupo, como suplentes,  Vitor Hugo (MDB) e Wellington Dias (PDT).

Os vereadores receberam a cópia completa do inquérito com 500 páginas que investiga o caso da 16ª DP (Barra da Tijuca), com laudos e depoimentos. “Estamos nos baseando na perícia, nas testemunhas, na própria atitude do vereador em tentar burlar algumas testemunhas, tudo isso baseado nos autos. Isso já é suficiente para iniciarmos o processo de cassação”, afirmou Alexandre Isquierdo. Ele estima em cerca de 70 dias o prazo para que ocorra a votação sobre a cassação de Jairinho em plenário.

Tramitação

Para instaurar o processo, o Conselho enviou a representação à Mesa Diretora. Em até três dias, tem que ser encaminhado à Comissão de Justiça e Redação para avaliação jurídica. De volta ao Conselho, é escolhido um relator, Jairinho é comunicado para se defender e são ouvidas testemunhas. Para o vereador ser cassado, são necessários 34 votos dos 51 parlamentares. A votação deve ser aberta.

Leia a íntegra da representação:

Representação – Conselho de Ética – Dr. Jairinho – 26-04 – FINAL PDF by Lourenço Flores on Scribd

Henry morreu no dia 8 de março. Monique e Jairinho alegaram acidente doméstico, mas laudos comprovaram morte violenta.

Em entrevista ao Metrópoles, o pai do menino, Leniel Borel foi taxativo: “Jairinho não é maluco. É psicopata lúcido, assassino”.

0

 

Últimas notícias