metropoles.com

Cinco fatos sobre o delegado que pagou detetive para vigiar a amante

Demétrio tentou armar operação contra Eduardo Paes, apreendeu materiais de Legião Urbana e se passou por mulher para forjar prisão

atualizado

Compartilhar notícia

Divulgação
delegado marielle
1 de 1 delegado marielle - Foto: Divulgação

Em junho, o delegado da Polícia Civil do Rio de Janeiro Maurício Demétrio Afonso Alves foi preso no âmbito da Operação Carta de Corso por cobrar propina a comerciantes de Petrópolis, região serrana do estado. Mas investigações do Ministério Público que vieram à tona agora mostram que ele fez operações falsas contra o prefeito Eduardo Paes (PSD) e tinha gastos incompatíveis com sua renda.

De acordo com apurações do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), reveladas pelo Fantástico na noite do último domingo (26/12), o delegado chegou a pagar um detetive para vigiar a amante.

Demétrio responde pelos crimes de organização criminosa, obstrução de Justiça, concussão (cobrança de propina), lavagem de dinheiro e violação de sigilo funcional.

Veja abaixo cinco fatos sobre o delegado:

1. Apreendeu materiais da Legião Urbana

Em outubro e dezembro de 2020, foram deflagradas as operações Será e Tempo Perdido, que culminaram na apreensão de materiais do cantor Renato Russo, da banda Legião Urbana, de um depósito. A operação foi ordenada pelo delegado Maurício Demétrio após denúncia de Giuliano Manfredini, filho de Renato Russo.

Foram removidas 91 fitas, um relatório com informações sobre as músicas, CDs e cartuchos de gravação que estavam guardados em um local utilizado pela gravadora da banda. O material foi entregue a Manfredini.

Na época, Demétrio era o titular da Delegacia de Repressão aos Crimes Contra Propriedade Imaterial (DRCPIM).

2. Fingiu ser mulher

Segundo as investigações do MPRJ, o delegado fingiu ser uma mulher durante ocasião para tramar a prisão em flagrante de outro delegado, que o investigava. Ele se passou por uma funcionária da ONG chamada Ana, e fez uma encomenda de camisas com estampa de Minions na confecção que era do delegado Marcelo Machado Portugal.

O objetivo era apreender as roupas e incriminar o dono da loja por falsificação – e funcionou: em março deste ano, Demétrio apreendeu mil camisas que ele mesmo havia encomendado e Portugal foi preso.

3. Fez operação falsa contra o então candidato Eduardo Paes

O delegado ainda tentou armar uma operação falsa contra o então candidato a prefeito do Rio Eduardo Paes, às vésperas do segundo turno das eleições municipais de 2020.

Por intermédio do advogado Thalles Wildhagen Camargo, Demétrio denunciou à Polícia Federal um suposto encontro entre um portador e Paes, a quem o homem entregaria um pacote com dinheiro de origem desconhecida. O delegado federal Victor Cesar Carvalho dos Santos recebeu a notícia, mas desistiu da operação ao saber quem era a fonte.

O próprio Demétrio mandou uma foto do tal envelope, com notas de R$ 50 e R$ 100, feita por ele mesmo, de um dos seus 12 celulares.

0

4. Ostentava em viagens

O MPRJ ainda descobriu que o delegado preso levava uma vida de luxo, incompatível com sua renda. As descobertas foram feitas após análise de três dos 12 celulares apreendidos. Ele contratava seguranças particulares para protegê-lo durante viagens, os voos eram na classe executiva e pagos em espécie.

Em uma das viagens a São Paulo, de apenas quatro dias em dezembro de 2020, Demétrio gastou R$ 35 mil com seguranças e carro blindado. Era comum quem, em suas viagens, também se hospedasse em hotéis de luxo, e alugasse mansões e carros de luxo no Brasil e no exterior.

Em uma das viagens ao exterior, segundo as investigações, Demétrio contratou três detetives para que vigiassem e investigassem, durante oito dias, uma amante na Flórida, nos Estados Unidos, pelo valor de US$ 9.900 (o equivalente a R$ 56 mil na cotação atual).

5. Chegou a lucrar R$ 1 milhão com propinas de lojistas

Demétrio e um grupo de policiais que cobravam propina de comerciantes na Rua Teresa, importante via de comércio de roupas de Petrópolis, chegaram a lucrar R$ 1 milhão entre março de 2018 e março de 2021. De acordo com as investigações, ao menos 40 lojistas foram vítimas do grupo de extorsão liderado pelo delegado.

Quando Demétrio foi preso, em sua casa havia R$ 240 mil em espécie, além de armas, joias e notas de dinheiro em moedas estrangeiras.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações